Trabalho e Saúde¹

 

Não dizemos que o trabalho dá saúde. Trabalha-se porque os indivíduos procuram obter rendimento para a sua vida quotidiana. Mas hoje em dia, trabalhar é condição de sobrevivência. Os ritmos e as condições de trabalho poem em risco a nossa sobrevivência. Física, mental e mesmo prejudicam as relações que tem de existir nas sociedades.

O discurso da maior produtividade do fator trabalho é sinónimo de exploração da condição humana. Será que querer maximizar a produtividade de cada um de nós não se estará a pôr em risco o equilíbrio do Homem como um todo? Até que ponto esta exigência ultrapassa os nossos limites físicos e mentais? Será que o detentor dos meios de produção verdadeiramente beneficia se tiver altas rotações da sua força de trabalho devido a situações de ausência por doença? Quais são os custos de substituição? E da perda do conhecimento e da aprendizagem?

Para o bem-estar da sua força de trabalho, parece ser lógico e pertinente que as organizações tenham condições próprias e/ou contratadas para a avaliação das condições de saúde dos seus trabalhadores. Têm mesmo de ir para além do que estiver definido na Lei. O que estiver na Lei é mínimo. As organizações têm de proporcionar aos seus trabalhadores condições de segurança relativamente ao meio onde desenvolvem a sua atividade profissional.

Independentemente da dimensão da organização, os seus responsáveis terão de olhar para as pessoas como o elemento primordial para o resultado que perseguem. Podem ter o melhor parque de máquinas, tecnologias de ponta e sistemas de informação de vanguarda. Contudo se não tiver trabalhador motivado e com a perceção clara de que está num ambiente de trabalho protegido a sua produtividade será posta em causa.

Segundo Faria e Meneghetti (2011)[2], hoje em dia há evidências de grave ausência humana nas teorias organizacionais orientadas para a excelência. Até que ponto a procura deste resultado não porá em risco a saúde biopsicossocial dos trabalhadores?

 

01/06/21

Cristóvão Sá-πmenta

 

 

Fontes:

Imagem BING

[1] https://revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/view/3019

[2] Henrique de Faria, J., & Meneghetti, F. K. (2011). Liderança e organizações. Revista De Psicologia2(2), 93-119. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/92

Pin It