Acredito que a maior parte das pessoas, ao lerem o título deste artigo, pensará de imediato no livro de um famoso dirigente desportivo português, mas na verdade, usei este conhecido adágio popular para me referir ao problema das descargas poluentes da ETAR de Arreigada.

É com um profundo sentimento de tristeza e revolta que volto a escrever sobre este assunto, e fá-lo-ei até que a justiça seja feita ao povo de Lordelo, e seja reposta a fauna e a flora no Rio Ferreira, um dos mais importantes recursos hídricos da região.

Os Lordelenses (e porque não dizer também a população de Paços de Ferreira) não merecem tamanha falta de respeito, por quem tem a obrigação de tratar este assunto de uma forma mais célere e responsável, com verdade e sem subterfúgios. Então, estes últimos dias têm sido horríveis, vivemos uma epidemia dentro de uma pandemia… assim, ninguém aguenta!

Vivemos tempos difíceis em que, milhares de famílias viram-se forçadas a ficar em casa. Ora, este confinamento resultou obviamente, num aumento brutal do caudal de saneamento doméstico, que recordo, cai no Rio Ferreira sem qualquer tratamento, fazendo com que, nem as chuvas consigam diluir a porcaria e os cheiros nauseabundos que se veem e se sentem em Lordelo.

E não, não aceito o argumento de ter sido atrasada a ligação da ETAR pelo Estado de Emergência que vivemos, pois se as obras públicas não foram interrompidas, não há razão para não se concluir o que falta, tanto mais que a saúde pública está em causa em ambos os casos. De salientar que uma ETAR, é uma sigla que significa “Estação de Tratamento de Águas Residuais”, no caso da ETAR de Arreigada é exactamente o contrário, é uma ETAR que polui… perverso, não é? Sempre que questiono a Câmara de Paços de Ferreira sobre a data de conclusão da obra e consequente entrada em funcionamento, a resposta é sempre a mesma: “dentro de dias!”… Largos dias têm 100 anos; E lembram-se do Sr. Ministro do Ambiente, ter afirmado no dia 14 de Janeiro, com toda a convicção e até algum sarcasmo, que a ETAR estaria a funcionar em “15 dias / 3 semanas”?… Largos dias têm 100 anos; Relativamente à APA (Agência Portuguesa do Ambiente), simplesmente uma nulidade! Mas… Largos dias têm 100 anos!

No rescaldo do 38.º Congresso do PSD, onde mais uma vez tive o privilégio de participar como Delegado, parece-me oportuno partilhar, aquilo que me levou a participar nesta reunião magna do partido.