“Do rio que tudo arrasta, se diz que é violento,

Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem.”

Bertolt Brecht

Sempre que se fala na poluição dos rios, vem-me ao pensamento esta frase de Bertolt Brecht, embora sabendo que, nesta altura, a preocupação existente não dizia respeito aos rios, mas antes às restrições de liberdade. Hoje, embora essa preocupação ainda exista, outras surgem com importância crescente. Particular importância ganham as questões do ambiente, como demonstra a recente aceitação e atenção para as ações da jovem sueca de 17 anos Greta Thunberg.

Vem isto a propósito das há muito referenciadas descargas poluentes para os rios, nomeadamente os do nosso concelho de Paredes; Rio Ferreira e Rio Sousa. As descargas têm sido cíclicas e, não obstante as repetidas manifestações de preocupação e anunciadas medidas, elas continuam.

A última ocorreu recentemente e foi até objeto de interrogação ao Governo, sobre que medidas pretende adotar. Eram evidentes as marcas na água e uma enorme quantidade de peixes mortos. Desnecessário será referir, por demais conhecidos, os riscos para a saúde pública e os efeitos negativos na integridade ecológica, na fauna e na flora.

Em 24 de Setembro de 2018, lia-se no site da Câmara Municipal:

“Segundo o Vice-Presidente do Município de Paredes e Vereador do Ambiente, Francisco Leal, “existe uma forte preocupação com as questões ambientais no Concelho de Paredes, para tal está a ser implementado um plano de sensibilização para a vigilância das zonas ribeirinhas em articulação com os presidentes das juntas de Freguesia que assumem um papel preponderante junto da comunidade local, e que a cooperação institucional mútua poderá apresentar resultados profícuos na resolução deste problema”.

A “brigada de vigilantes do Rio Sousa” constituída por elementos das freguesias e da população local deve atuar “sempre que detetar qualquer foco de poluição reportando os casos ao Serviços Proteção da Natureza da GNR do Destacamento Territorial da GNR de Penafiel para que as autoridades do ambiente tomem as medidas mais convenientes”, refere o Francisco Leal.”

Era também fornecido o contacto para denúncia.

Várias inciativas têm sido levadas a cabo, em prol da despoluição do Rio Ferreira e também do Rio Sousa, tal como a Marcha pelo Rio Sousa levada a cabo em Penafiel em 25 de Setembro de 2019 pelo Movimento Pelo Rio Sousa, em que ficou decidido solicitar uma audiência à “Associação de Municípios do Vale do Sousa”.

No entanto, parece que tudo fica igual e, ciclicamente, lá aparecem as descargas.

Aos Municípios compete fazer e lutar: fazer o que é da sua competência e lutar para que seja feito o que é da competência de outros organismos, como vigiar e reprimir tudo o que ofenda os interesses legítimos dos seus munícipes. É isto que se espera do Executivo da Câmara Municipal de Paredes.

Manuel Vieira - PSD Paredes

Pin It