21.3 C
Munique
19.9 C
Porto
NacionalMudança de lei autárquica coloca candidaturas independentes sem futuro

Mudança de lei autárquica coloca candidaturas independentes sem futuro

Relacionados

Penafiel – Apreensão de armas ilegais

No âmbito de uma denúncia por ameaças com recurso a armas de fogo, no dia 3 de julho, os militares da guarda do posto...

Cerimónia de comemoração dos 91 anos da instituição em Paços de Ferreira brindada com medalha por serviços distintos de Grau Ouro

Zeferino Barbosa, presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Paços de Ferreira (AHBVPF), recebeu a medalha por serviços distintos de Grau Ouro da...

Amarante – Detido por posse de arma proibida

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Amarante, hoje, dia 30 de junho, deteve um homem de 23 anos por posse...

Aprovada em julho pelo bloco central, a alteração à lei autárquica está a gerar indignação sobretudo do lado da Associação Nacional dos Movimentos Independentes (AMAI).

De acordo com o jornal Expresso, em “causa está a possibilidade de a candidatura de um partido independente poder ser inviabilizada por causa do nome, ou porque não recolheu assinaturas suficientes”. A decisão passará a estar nas mãos de um juiz de turno, uma vez que a entrega da documentação se realiza em agosto, durante as férias judiciais.

A AMAI questiona a constitucionalidade da nova lei tendo já avançado para a Procuradoria-Geral da República, de forma a exigir a fiscalização sucessiva do documento. Ao JN a AMAI explicou que “o primeiro entrave é o facto de ser obrigatória a constituição de diferentes movimentos para as juntas de freguesia e para as câmaras. O mesmo movimento não pode concorrer à câmara e à freguesia, o que obriga à recolha de mais assinaturas”.

No que toca à questão do nome, os movimentos não poderão usar as palavras “partido” e “coligação”, além disso, face à questão de as candidaturas terem de ser entregas até 50 dias antes do dia de eleições, o juiz de turno poderá considerar o nome inválido e, no caso, será necessário “repetir todo o processo de recolha de assinaturas”.

De acordo com a mesma fonte, Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto e independente, admite que estas mesmas regras se traduzem numa “quase impossibilidade, referindo que “mais valia terem a coragem de dizer que não podemos concorrer”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido