-1.4 C
Munique
6.7 C
Porto
OpiniãoCheque Bebé ou Cheque Propaganda?

Cheque Bebé ou Cheque Propaganda?

Relacionados

Porque votar CDU nas próximas eleições legislativas?

O voto na CDU é um voto que conta e dá mais força a quem defende, uma verdadeira política patriótica e de esquerda e...

Votar diferente, um imperativo nacional

No próximo dia 30 de janeiro, os portugueses serão novamente chamados às urnas para decidir a composição da Assembleia da República. Estas eleições ocorrem...

Maioria absoluta, prepotência absoluta

Em 28 de agosto de 2019, António Costa, do PS, disse que os portugueses não gostam de maiorias absolutas  porque guardam más memórias das...

Na última reunião do executivo do ano de 2021 foi aprovada a promessa eleitoral do PS de atribuir 500€,  nas palavras do Dr. Paulo Ferreira “Um apoio direto à natalidade, que se junta a várias medidas já em vigor, como a oferta de refeições escolares a todos os alunos do pré-escolar até ao 12º ano, transporte escolar gratuito…”. Sem dúvida que estes apoios ajudam as famílias, principalmente as de menores rendimentos, mas será que estes incentivam as famílias a ter mais filhos? Ou não passará de medidas mal pensadas, exceto no efeito de aumentar a popularidade?

O estudo “Determinantes da fecundidade em Portugal” da Fundação Francisco Manuel dos Santos identifica como principais razões para a baixa natalidade em Portugal os seguintes fatores:

  1. A falta de perspetivas futuras de segurança económico-financeiras das famílias;
  2. A estabilidade laboral;
  3. A difícil conciliação entre o trabalho e a família.

Estes fatores além de adiarem a decisão de ter o primeiro filho desanimam os pais a ter um segundo. Estas devem ser as principais prioridades do município de Paços de Ferreira, questões que estão esquecidas pelo PS e tão importantes para melhorar a vida de todos. É inegável que as medidas que o PS colocou em prática ajudam as famílias de menores rendimentos, mas não são fatores decisivos para as mesmas na hora de decidir ter filhos.

O que fazer?

Em relação aos dois primeiros fatores apontados o poder da Câmara Municipal é limitado e medidas para atenuar os mesmos devem partir principalmente do governo central, mesmo assim dentro das possibilidades o executivo nada tem feito. Paços de Ferreira perdeu com este executivo a vontade e força de atrair investimento externo para o concelho, de forma a diversificar e aumentar a robustez e diversidade económica do concelho. As empresas locais felizmente têm crescido o que arrasta a criação de emprego, mas os salários, uma das maiores preocupações dos futuros pais, infelizmente não acompanham.

Cheque-Bebe-Cheque-Propaganda
Direitos Reservados

Quando o atual executivo camarário chegou ao poder os salários médios começaram a aproximar-se do salário mínimo. A tendência felizmente tem-se divergindo, mas é um sintoma do desprezo que o município tem dado à captação de investimento que vamos pagar caro no futuro. Pertencemos a uma das zonas mais pobres do país e sem políticas de desenvolvimento económico não vamos conseguir aumentar a natalidade como estaremos a empurrar a nossa população para fora do nosso concelho.

O gráfico abaixo demonstra como Paços de Ferreira tem uma população de rendimentos muito baixo. Atualmente 60% da população adulta tem rendimentos inferiores ao salário mínimo nacional e não irão ser as medidas anunciadas pelo executivo que vão dar a segurança financeira que os futuros pais tanto procuram para os seus filhos. Os salários superiores também não são muito melhores, mas aqui o executivo tem algo que pode fazer de forma imediata com impacto na vida de todos os Pacenses, pois ao contrário do que o PS anda a anunciar os impostos não estão todos no mínimo, o PS ainda não abdicou de 5% do IRS, no montante previsto de 1,1 milhões de euros em 2022.

Na conciliação da vida pessoal e a vida profissional uma questão que se coloca é: Onde os filhos vão ficar no horário de trabalho dos pais? Poucos serão os jovens com pais ou avós que possam ajudar a tomar conta dos seus filhos, e serão ainda menos os jovens com vagas em creches. Ao entrar no jardim de infância ou na escola primária a situação não melhora com as aulas a terminar e os alunos a irem para casa no transporte do município no horário laboral dos pais. Se não existirem respostas públicas para os futuros pais sem alternativas familiares obriga-os a arranjar soluções particulares que com os baixos salários do concelho de Paços de Ferreira se torna uma solução proibida.

Assim é preciso investir, ainda mais, na criação de creches e no prolongamento escolar para todas as crianças com atividades extracurriculares e de apoio ao estudo, desta forma o município está não só a apostar nas crianças e a ajudar os pais.

O caminho para o aumento da natalidade tem que mudar de direção. Uma verdadeira política de natalidade ajuda não só os que pretendem ser pais, bem como todos os Pacenses ao melhorar a qualidade de vida e o rendimento de todos.

Por fim quero deixar uma nota, na última quarta-feira, 12 de janeiro, na assembleia municipal questionei o executivo se o valor para o orçamento do ano de 2022 em refeições escolares, no valor de 800 mil euros, estava correto. O Presidente Humberto Brito não o negou e reafirmou que o apoio se dirigia desde o pré-escolar até ao secundário. Atualmente temos cerca de 8500 alunos no nosso concelho o que dá uma despesa de 95€ por ano/aluno. Só consigo tirar duas conclusões com estes números, ou o rigor no orçamento não se verifica ou a qualidade da comida das nossas crianças é lamentável.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido