22.5 C
Munique
15.6 C
Porto
OpiniãoO Conflito Ucrânia-Rússia: uma História com Começo mas Sem Fim

O Conflito Ucrânia-Rússia: uma História com Começo mas Sem Fim

Relacionados

Transparentes – Não basta dizê-lo, devem mesmo sê-lo!

Em apenas 5 anos, a Iniciativa Liberal passou de um sonho de um punhado de liberais para um projeto político nacional verdadeiramente alternativo ao...

Incentivos certos

Para além de evitar que se cometam alarvidades despesistas de comprar de serras como aquela que tenciona fazer o autarca José Manuel Ribeiro, podem...

Porque o PCP resiste e luta

Nos últimos tempos, não fugindo à regra desde que foi fundado, não faltam ataques ao Partido Comunista Português. Tudo com dois grandes objetivos: enfraquecer...

O atual conflito militar entre a Rússia e Ucrânia não é novidade nas relações internacionais. As raízes desta problemática são históricas, mas o fenómeno considerado a gota de água nas relações entre os dois países data de 2014, com a anexação ilegal da Crimeia, território ucraniano composto por uma larga percentagem de cidadãos pró-Rússia, por parte desta última. Qual a relevância desta região no conflito que vivemos? Desde a sua anexação, a Crimeia tem sido o epicentro de choques entre a Rússia, a Ucrânia e entre a UE e os EUA, com os atores do Ocidente a defenderem a pertença da Crimeia à Ucrânia e a Rússia a defender a integração desta no seu território. Este território não foi o único a acomodar movimentos separatistas. Luhansk e Donetsk também foram tomadas pelos separatistas pró-Rússia no fatídico ano de 2014, apesar de não terem sido reconhecidas por nenhum Estado do sistema internacional. Estes eventos vieram assombrar anos mais tarde o equilíbrio no continente europeu.

O que entra também em jogo é a possível entrada da Ucrânia na NATO, pretensão demonstrada pelo país em 2008. O plano foi descartado após a eleição de Viktor Yanukovych em 2010, que manteve a posição de país não-alinhado. No entanto, os eventos derivados da invasão russa em 2014 e a subida ao poder da nova administração ucraniana, liderada por Petro Poroshenko, levaram à definição de novas prioridades, sobretudo a tentativa de adesão à NATO. O afastamento da Ucrânia face à Rússia e a eventual integração nas organizações internacionais reforçou a instabilidade entre os Estados. A 21 de fevereiro de 2022, a Rússia reconheceu a independência Donetsk e Luhansk, sendo que no dia seguinte foi autorizado o uso da força militar nos territórios. Três dias depois, a Rússia iniciou uma invasão armada na Ucrânia, escalando definitivamente as tensões. Considerado o maior ataque militar a um Estado soberano europeu desde a II Guerra Mundial, esta ofensiva tinha dado sinais em março de 2021 quando a Rússia começou a reunir forças militares ao longo da sua fronteira com a Ucrânia. Em resposta, a NATO tem enviado tropas para os Estados membros que se encontram perto da região, enquanto cidadãos ucranianos fogem do país. Como expectável, a UE, os EUA e os seus aliados rapidamente introduziram múltiplas sanções direcionadas à Rússia.

Caberá à diplomacia entre os países para que se ponha um fim à guerra e se reestabeleça a paz tendo em conta, acima de tudo, o bem-estar dos/as cidadãos/ãs.

 

Maria Luís Torres Pacheco, licenciada em Relações Internacionais pela Universidade do Minho e atual mestranda do segundo ano do mestrado em Relações Internacionais, na mesma universidade.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido