9.9 C
Munique
15.8 C
Porto
RegionalEventuais ilegalidades nas atas da Assembleia Municipal de Paços de Ferreira mantêm-se...

Eventuais ilegalidades nas atas da Assembleia Municipal de Paços de Ferreira mantêm-se em segredo de justiça

As eventuais ilegalidades apresentadas levaram à demissão do presidente da Assembleia Municipal de Paços de Ferreira. O Ministério confirma a existência de um inquérito dirigido ao DIAP da Procuradoria da República.

Relacionados

Câmara Municipal de Paços e Ferreira obrigada à alteração de horários da Polícia Municipal por ordem do tribunal

Tendo em conta a situação pandémica nacional que Portugal está a atravessar, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira procurou estipular horários de trabalho...

Motociclistas agendam manifestação contra inspeções às motos

Depois de Jorge Delgado, Secretário de Estado das Infraestruturas, ter avançado, a 20 de setembro, que o Governo está a preparar um diploma para...

MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

A plataforma MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados e os livros na posse nos alunos. O...

O Ministério Público continua a investigar as eventuais ilegalidades em atas da Assembleia Municipal de Paços de Ferreira que levaram à demissão de Ricardo Pereira do cargo de presidente.

A investigação dos conteúdos das atas da Assembleia Municipal de Paços de Ferreira que poderão conter ilegalidades, continua a ser realizada, nomeadamente por um dos documentos em reportar, a 28 de dezembro de 2018, duas minutas.

Ricardo Pereira chegou a referir ao JN, publicamente, que a ata enviada ao Fundo de Apoio Municipal, no que respeitava à fixação da taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis, não estaria em conformidade.

As ilegalidades culminaram na demissão de Ricardo Pereira do cargo uma vez que, como o próprio chegou a referir, “não há condições políticas para continuar a liderar esta Assembleia Municipal, porque deixei de ter confiança nesta Câmara Municipal de Paços de Ferreira”, justificou ao JN.

Em declarações ao EMISSOR, o Ministério Público referiu a “existência de um inquérito relacionado com matéria que refere. O mesmo é dirigido pelo Ministério Público do DIAP da Procuradoria da República de Porto Este (Paredes, 1.ª secção)”, acrescentando que o “processo encontra-se em investigação e está sujeito a segredo de justiça”.

Esta informação mantém-se desde setembro do passado ano.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido