9.9 C
Munique
15.8 C
Porto
RegionalPortoProfessor da FDUP recusa dar exame a aluna por a considerar estar...

Professor da FDUP recusa dar exame a aluna por a considerar estar “muito destapada”

Perante a recusa, a estudante cedeu e conseguiu realizar a prova. Após terem sido feito as denúncias, a direção da FDUP instaurou um processo para averiguações

Relacionados

Câmara Municipal de Paços e Ferreira obrigada à alteração de horários da Polícia Municipal por ordem do tribunal

Tendo em conta a situação pandémica nacional que Portugal está a atravessar, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira procurou estipular horários de trabalho...

Motociclistas agendam manifestação contra inspeções às motos

Depois de Jorge Delgado, Secretário de Estado das Infraestruturas, ter avançado, a 20 de setembro, que o Governo está a preparar um diploma para...

MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

A plataforma MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados e os livros na posse nos alunos. O...

Na Faculdade de Direito da Universidade do Porto (FDUP), um professor recusou-se a entregar o enunciado de exame a uma aluna, na sexta-feira, “por causa da forma como estava vestida, considerando que a estudante estava ‘muito destapada’, segundo a denúncia feita por um núcleo da faculdade nas redes sociais”, avança o jornal Público.

Ao Público, fonte da FDUP avançou que a universidade “instaurou um processo de averiguações relativamente aos factos reportados”.

“Mesmo depois de a aluna ter cedido à ‘pressão’ para vestir um casaco, o enunciado do exame de recurso da unidade curricular História do Direito só terá sido entregue depois da insistência de outro aluno”, avança o público, acrescentando que “a estudante acabou por fazer o exame, mas com menos tempo”.

A situação em questão foi denunciada no sábado, nas redes sociais do núcleo HeforShe da FDUP.

Num comunicado emitido pela FDUP é possível ler-se que “uma Faculdade de Direito pública sujeita ao regime do artigo 43.º da Constituição da República Portuguesa, onde, por isso, não podem ter lugar quaisquer ‘diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas’”, referindo ainda que “a faculdade será rigorosa – como sempre foi- quanto ao escrupuloso cumprimento deste comando institucional”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido