2.7 C
Munique
9.2 C
Porto
DestaqueParedes - Celso Ferreira absolvido

Paredes – Celso Ferreira absolvido

Relacionados

Associação de Municípios do Douro e Tâmega (AMDT) com orçamento de 1,37M para 2023

O Conselho Diretivo da Associação de Municípios do Douro e Tâmega (AMDT) aprovou hoje, 28 de novembro, o Plano Plurianual de Investimentos 2023-2026. O documento prevê...

Pedro Santinho Mendes estreia-se a vencer em Fronteira

Com muitos milhares de espetadores e um sol radioso, a 10ª edição da BP Ultimate 4 Horas SSV Vila de Fronteira foi pródiga em...

Braga – Câmara de Braga transfere mais de 600 mil euros para Freguesias e instituições do Concelho

Mais de 600 mil euros é quanto o Município de Braga vai transferir para financiar a execução de várias obras em diversas Freguesias e...

O antigo presidente da Câmara Municipal de Paredes, Celso Ferreira, eleito pelo PSD, foi absolvido em audiência de julgamento no Tribunal de Penafiel, no dia de ontem.

1.OK_.W.1

O coletivo de juízes entendeu que a prova apresentada, foi inconsistente e insuficiente.

Ao JN, “Celso Ferreira, à saída do tribunal, repetindo que este processo nasceu “de dezenas de queixas anónimas” apresentadas com o “objetivo de um benefício político eleitoral”. Garantiu ainda que todas as entidades que investigaram este processo sabiam da sua “retidão””.

Este era um processo em que o Ex. Presidente do Município de Paredes estava a ser julgados á vários anos, estavam em causa dois crimes de prevaricação motivados pelos projetos dos centros escolares que foram construídos durante a sua governação.

Em causa estavam os procedimentos de contratação e adjudicação pública, da arquitetura e fiscalização de 15 centros escolares no município de Paredes. A acusação assentou na divisão dos projetos em concurso em empreitadas de menores dimensões, por forma a ser possível a adjudicação direta de diversas obras de dimensões mais reduzidas.

No entanto, o Tribunal entendeu que apesar das irregularidades formais nos processos de contratação pública, fica provado, que o ex. autarca, Celso Ferreira, não agiu contra o direito ou de forma consciente, este agiu sempre na sequência dos pareceres técnicos disponíveis. Não existiu intuito de lesar ou beneficiar alguém.

Ao JN, o Ex. autarca Celso Ferreira “depois de ouvir a leitura do acórdão e da sua absolvição, mostrou-se “satisfeito”, porque, considera, “não sobrou dúvida alguma sobre a minha conduta”. “Resta-me a enorme felicidade destas decisões que fui tomando terem contribuído para um avanço geracional na Educação em Paredes. E se este é o preço a pagar para que as crianças de Paredes tenham um futuro melhor, pois que assim seja””.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido