DestaquePenafiel: Empresa de confeções encerra deixando mais de uma centena de desempregados

Penafiel: Empresa de confeções encerra deixando mais de uma centena de desempregados

Relacionados

Santo Tirso: Motociclista morre após despiste na Serra da Agrela

Um homem de 33 anos morreu, no passado domingo, dia 19 de maio, na serra da Agrela, em Santo Tirso, após ter sofrido um...

Freamunde: viagens escolares levantam suspeitas

Comportamentos de auxiliar aos alunos de Freamunde nas viagens escolares levanta suspeitas Os encarregados de educação de alunos do Centro Escolar de Freamunde estão a...

Paredes: Homem com antecedentes é detido por violência doméstica

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas de Penafiel deteve, no passado dia 10 de maio,...

 Uma empresa de confeções encerrou, na última quarta-feira, em Penafiel, deixando sem trabalho cerca de 130 funcionárias que se concentraram, durante a manhã, à entrada da fábrica.

mcdonaldspacosdeferreira
Direitos Reservados

Segundo Susana Martins, que também trabalha na empresa sediada em Guilhufe, o anúncio de encerramento da empresa Guerreiros & Génios, Lda. foi comunicado por e-mail, na noite de terça-feira, alegando-se não ter encomendas.

As funcionárias da unidade industrial encontravam-se de férias desde 23 de outubro e deveriam regressar na quarta-feira ao seu posto de trabalho, como disse Susana Martins em declarações à Agência Lusa, “Eram férias normais e contávamos regressar hoje ao trabalho”.

As operárias alegam, ainda, ter vários salários e subsídios em atraso, “Umas têm dois, outras têm três, varia consoante os casos”, acrescentou.

A unidade fabril tinha cerca de 45 anos de atividade, embora com várias designações, ao longo do tempo. A empresa dedicava-se à produção de vários produtos para marcas internacionais de vestuário.

Susana Martins revelou, por outro lado, que a empresa “tem tido sempre trabalho”, mas reconheceu que os atrasos nos salários começaram a acontecer a partir da Páscoa.

Alegou, também, que as trabalhadoras têm tentado, sem sucesso, contactar o proprietário por telefone e por correio eletrônico. “Queremos que nos venha abrir a porta para retirarmos as nossas coisas”.

papelaria-abc
Direitos Reservados
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -