DestaquePenafiel - Enfermeiros despedidos exigem readmissão

Penafiel – Enfermeiros despedidos exigem readmissão

Relacionados

Cinfães: Homem detido por violência doméstica e posse de arma proibida

Um homem de 59 anos foi detido por posse de diversas armas e munições encontradas durante as diligencias de um processo de violência doméstica,...

Barcelos: Homem é detido depois de agredir policias

Um homem de 37 anos foi, na passada na quarta-feira, dia 17 de abril, detido pelo crime de agressão e injúria contra agentes da...

Santo Tirso: Homem que escondia droga num cofre é detido

A PSP deteve, na passada sexta feira, dia 12 de abril, um homem de 25 anos de idade por suspeita de tráfico de droga...

Trinta e um enfermeiros que não viram renovados os seus contratos de trabalho no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa exigiram, junto ao hospital de Penafiel, a sua readmissão, mas com vínculo efetivo.

Em declarações à Lusa, Fátima Monteiro, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) disse que “O que estamos a exigir é a readmissão destes enfermeiros com vínculo efetivo, porque eles estão cá a dar resposta a necessidades permanentes”.

Segundo a sindicalista, aqueles profissionais tinham contratos desde novembro, mas ficaram sem trabalho, “por o Ministério das Finanças não ter aprovado a sua contratação”. “Este hospital contratou-os ao abrigo do plano de contingência, sempre com a expetativa de que o Governo em geral disponibilizasse verba para os poder contratar. O Ministério da Saúde deu um aval positivo, mas o Ministério das Finanças mandou-os para o desemprego”, lamentou Fátima Monteiro.

Com palavras de ordem como “Costa escuta, os enfermeiros estão em luta”, os profissionais que ficaram sem trabalho concentraram-se na manhã da última quarta-feira à entrada do Hospital Padre Américo, em Penafiel, onde exibiram cartazes críticos ao Ministério das Finanças.

Para a sindicalista, “a hipocrisia é tanta que estes colegas são despedidos, mas o contrato de seis meses nem lhes possibilita o fundo de desemprego”, indicando ainda que, “com o despedimento destes colegas, a qualidade e a quantidade dos cuidados que se prestam aos utentes ficam em causa, assim como a segurança dos próprios profissionais”.

A dirigente do SEP referiu que naquele centro hospitalar, que integra os hospitais de Penafiel (Padre Américo) e Amarante (São Gonçalo), “esta semana, a atividade cirúrgica foi alterada, por falta de retaguarda para os doentes que necessitavam de cuidados de enfermagem e de espaço”.

“Olhem para o SNS de uma vez por todas. Nós não queremos destruir o SNS, os enfermeiros são necessários, deem-lhes condições, porque eles sabem diariamente dar a resposta aos utentes”, concluindo assim as suas declarações.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -