0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
EmpresasStartup vencedora da Web Summit foi criada por um jovem penafidelense

Startup vencedora da Web Summit foi criada por um jovem penafidelense

A startup “Smartex” tem como objetivo acabar com o desperdício na industrial têxtil.

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

No decorrer da Web Summit, realizada em Lisboa, foi atribuído o prémio de melhor startup a um penafidelense, António Rocha, desenvolvedor da “Smartex”, uma startup com o objetivo de acabar com o desperdício na industrial têxtil através de um sistema de câmaras, luzes e algoritmos que vigiam o processo de fabrico à procura de defeitos.

De acordo com o jornal Público, a “Smartex” é a primeira empresa portuguesa a ganhar o concurso anual da Web Summit desde que esta se mudou para Lisboa no ano de 2016. O projeto, com sede na Califórnia, utiliza a visão computacional e a inteligência artificial para monitorizar o processo de fabricação dos têxteis.

O desenvolvedor da tecnologia, António Rocha, diz pretender “resolver um dos grandes problemas da industrial têxtil”, referindo-se à produção de lixo como representante de “10% da produção da industrial têxtil, que é a segunda indústria mais poluente em todo o mundo”.

Através das pequenas câmaras e sensores da Smartex, quando instalados dentro de máquinas nas fábricas, estas travam o sistema quando é detetado um defeito e, apesar do foco atual ser a industrial têxtil, António Rocha esclarece que o objetivo é expandir o sistema para detetar falhas no fabrico de plásticos e papel.

Nesta edição, a startup competia contra outras 75 startups, tendo a Smartex sido a escolha do júri e a Okra a escolha do público, com 46% dos votos da audiência (a Smartex contou 43%).

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido