3.9 C
Munique
12.9 C
Porto
NacionalA Federação Nacional da Educação quer reunir com o Ministério da Educação...

A Federação Nacional da Educação quer reunir com o Ministério da Educação para orientações após a interrupção letiva

Relacionados

Paredes: Nova creche para 60 crianças em Gandra pronta em 18 meses

O edifício do antigo jardim de infância de Trás-as-Vessadas, em Gandra, vai ser requalificado e convertido numa creche com capacidade para 60 crianças, dos 4...

Penafiel: Lar é alvo de buscas por suspeita de falta de instalações adequadas e maus tratos

As Autoridades de saúde, da segurança social juntamente com a GNR realizaram, na última quinta-feira, buscas numa instituição de acolhimento de idosos na zona...

Valongo aprova o maior orçamento de sempre

A proposta de Orçamento e Grandes Opções do Plano da Câmara Municipal de Valongo para o ano 2024 tem o montante total de 114.930.000€,...

A Federação Nacional da Educação (FNE) fez chegar ao Ministério da Educação, um ofício onde considera imprescindível que a “tutela promova uma urgente realização de uma reunião que permita o debate sobre a orientação que se deve adotar na sequência da interrupção das aulas, determinada pelo Governo na semana passada”, adianta, em nota, a FNE.

Tendo em conta as circunstâncias, a FNE refere ser “essencial” que seja respeitado “o princípio democrático de consulta dos parceiros sociais com vista à adoção de orientações que se prendam com as condições do exercício profissional”, acrescentando que está em causa as condições em que a “atividade profissional docente vai ser desenvolvida a partir do momento em que terminem os 15 dias de pausa letiva que está a decorrer”.

Desta forma, a FNE refere tornar-se incontornável que as organizações sindicais representativas destes trabalhadores, sejam consultadas em tempo “oportuno”.

A Federação Nacional da Educação adianta ainda que, “seja qual for a solução que vier a ser adotada em relação ao tempo que se seguir a interrupção de 15 dias”, deverão garantir-se as condições que as viabilizem e que assegurem a igualdade no acesso a recursos e à garantia de saúde e segurança de todos.

E neste sentido que, a determinação de uma solução a considerar deve, primeiro, respeitar “as orientações das autoridades de saúde pública, a quem caberá definir as condições que devem ser adotadas para se garantir a saúde pública e de cada um dos membros da comunidade educativa”, refere a FNE.

Caberá ainda ao Governo, assegurar os meios aos docentes dotando-os para o desenvolvimento da “atividade profissional para os termos que vierem a ser determinados”.

A par destas intenções, a FNE afirma procurar garantir que sejam proporcionadas todas as “condições que forem adequadas para o desenvolvimento do ano letivo e a proteção e saúde de todos.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -