0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
NacionalA Federação Nacional da Educação quer reunir com o Ministério da Educação...

A Federação Nacional da Educação quer reunir com o Ministério da Educação para orientações após a interrupção letiva

A FNE procura criar condições essenciais para que a atividade profissional possa ser desenvolvida a partir do momento em que terminem os 15 dias de pausa letiva.

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

A Federação Nacional da Educação (FNE) fez chegar ao Ministério da Educação, um ofício onde considera imprescindível que a “tutela promova uma urgente realização de uma reunião que permita o debate sobre a orientação que se deve adotar na sequência da interrupção das aulas, determinada pelo Governo na semana passada”, adianta, em nota, a FNE.

Tendo em conta as circunstâncias, a FNE refere ser “essencial” que seja respeitado “o princípio democrático de consulta dos parceiros sociais com vista à adoção de orientações que se prendam com as condições do exercício profissional”, acrescentando que está em causa as condições em que a “atividade profissional docente vai ser desenvolvida a partir do momento em que terminem os 15 dias de pausa letiva que está a decorrer”.

Desta forma, a FNE refere tornar-se incontornável que as organizações sindicais representativas destes trabalhadores, sejam consultadas em tempo “oportuno”.

A Federação Nacional da Educação adianta ainda que, “seja qual for a solução que vier a ser adotada em relação ao tempo que se seguir a interrupção de 15 dias”, deverão garantir-se as condições que as viabilizem e que assegurem a igualdade no acesso a recursos e à garantia de saúde e segurança de todos.

E neste sentido que, a determinação de uma solução a considerar deve, primeiro, respeitar “as orientações das autoridades de saúde pública, a quem caberá definir as condições que devem ser adotadas para se garantir a saúde pública e de cada um dos membros da comunidade educativa”, refere a FNE.

Caberá ainda ao Governo, assegurar os meios aos docentes dotando-os para o desenvolvimento da “atividade profissional para os termos que vierem a ser determinados”.

A par destas intenções, a FNE afirma procurar garantir que sejam proporcionadas todas as “condições que forem adequadas para o desenvolvimento do ano letivo e a proteção e saúde de todos.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido