9.6 C
Munique
16.9 C
Porto
DestaquePCP acusa administração da STCP de promover discriminação de trabalhadores em função...

PCP acusa administração da STCP de promover discriminação de trabalhadores em função da filiação sindical

Os trabalhadores perderam o direito à folga de sábado, à qual tinham direito devido à antiguidade do trabalhador.

Relacionados

PCP pede esclarecimentos à ARS Norte pela demissão dos responsáveis pela Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto

O Partido Comunista Português (PCP) avançou, ontem, uma proposta para realizar uma audição da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) relativa à...

Milhares de portugueses apoiam greve aos combustíveis nas redes sociais

Um grupo criado no Facebook há 48 horas, intitulado de “Greve aos combustíveis”, conta já com mais de 500 mil membros. Na descrição é...

Jovem pacense em Erasmus morreu na Polónia

Na Varsóvia, capital da Polónia, foi encontrado o corpo de uma jovem natural de Penamaior, freguesia de Paços de Ferreira, numa varanda de uma...

O PCP avança, em nota, que durante várias décadas, os trabalhadores da STCP têm consagrado o direito de descansar aos sábados, um direito atribuído em função da antiguidade do trabalhador. O direito em questão tem, inclusive, transcrição no Acordo de Empresa em vigor.

No decorrer do último processo negocial com os sindicatos, o conselho de administração fez depender a atribuição deste direito à assinatura de um memorando de entendimento “impunha a limitação do direito à greve e aumentos salariais de apenas 15 euros por mês”, avança o PCP.

Os aumentos em questão, bem como a imposição de limites ao direito à greve, foram considerados pelo Sindicato de Transportes Rodoviários Urbanos do Norte (STRUN) inaceitáveis, avançando em sua defesa os “direitos dos trabalhadores que representam, não assinaram o dito memorando”.

O Conselho de Administração da STCP deixou de atribuir o dia de folga ao sábado e, os associados da STRUN, mesmo estes tendo a antiguidade necessária para tal. Assim, o PCP considera que esta situação discriminatória “em função da sua filiação sindical, numa clara afronta aos mais elementares direitos dos trabalhadores”.

Face a esta situação, os deputados comunistas da Assembleia da República pediram explicações ao Ministro da tutela, bem como aos seis municípios que assumiram a propriedade da empresa, sendo que os eleitos intervirão no sentido de “exigir do Conselho de Administração o fim desta atitude persecutória e o respeito pelos direitos dos trabalhadores”, conclui, em nota, o PCP.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido