0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
DestaquePrimeiro Ministro destaca a capacidade do país na atração de investimento tecnológico

Primeiro Ministro destaca a capacidade do país na atração de investimento tecnológico

António Costa revelou ser importante formar mais dez mil na área das ciências, tecnologias, artes e matemática até 2026

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

O Primeiro-Ministro, António Costa, destacou, ontem, a capacidade que Portugal tem atração de investimentos ao nível tecnológico, tendo-o demonstrado no decorrer da apresentação de novos projetos de investimento da Deloitte Portugal, em Lisboa.

Os investimentos já anunciados pela empresa são dois centros de excelência globais, quer ao nível de soluções tecnológicas e outro de redes de telecomunicações, as quais poderão empregar até duas mil pessoas qualificadas nos próximos quatro anos, sendo “ilustrativos do que Portugal tem a oportunidade de fazer”, referiu o Primeiro-Ministro.

António Costa referiu Portugal como um país de “excelência” no que diz respeito à localização, de tudo o que tem a ver com a “transformação digital e desenvolvimento de redes”, acrescentando que os investimentos estão a mudar o perfil da economia portuguesa, continuando a necessitar de técnicos altamente qualificados.

Uma das metas para Portugal será, sobretudo, aumentar a formação em ciências, tecnologias, artes e matemática até 2026”, o que implica “formar mais dez mil pessoas do que atualmente, no conjunto dessas áreas”, acrescentou o Primeiro-Ministro, sublinhando que “os salários sobem se houver mais emprego qualificado. E há mais emprego qualificado se as empresas tiverem a capacidade de atrair para Portugal a produção de serviços e bens com maior valor acrescentado, aumentando a competitividade”.

António Costa afirmou, em síntese, que os objetivos centrais da qualificação das gerações mais jovens é mantê-las no país, requalificando a nível profissional de grande parte dos atuais trabalhadores, principalmente nas áreas tecnológicas.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido