PolíticaBaião - Bancada do PSD abandona Assembleia Municipal em sinal de protesto...

Baião – Bancada do PSD abandona Assembleia Municipal em sinal de protesto após ter sido insultada pelo Presidente de Câmara

Relacionados

Paços de Ferreira: Atletas Pacenses destacam-se no Campeonato Nacional

Nos passados dias 4 e 7 de abril, o Complexo Olímpico de Piscinas de Coimbra recebeu os Campeonatos Nacionais de Juvenis, Juniores e Absolutos...

Protocolo impulsionador do Enoturismo no Douro e Tâmega é assinado

A Associação de Municípios do Douro e Tâmega e a Associação Empresarial de Amarante (AEA) celebraram esta segunda-feira, 8 de abril, após aprovação em reunião...

Paredes: Tribunal altera pena de homem que matou três ciclistas em 2019

O Tribunal da Relação do Porto alterou para prisão efetiva a pena aplicada ao condutor que matou dois motociclistas e feriu um terceiro, na...

– COMUNICADO –

“Na Assembleia Municipal que ocorreu no dia 25 do presente mês, a bancada do PSD viu-se obrigada a abandonar a sessão ordinária em sinal de protesto, depois dos insultos inaceitáveis proferidos pelo Presidente de Câmara, Dr. Paulo Pereira.

Desta forma, o PSD Baião vem esclarecer todos os Baionenses dos motivos que desencadearam esta forte tomada de posição dos membros eleitos em Assembleia Municipal:

  1. Ana Raquel Azevedo, líder da bancada do PSD e Presidente do PSD Baião, interveio no ponto “Antes da Ordem do dia” para falar sobre a ética na política. A intervenção tinha como pressuposto a falta de ética que se tem verificado nos últimos concursos públicos que levaram à entrada de membros e eleitos pelas listas do partido socialista e até familiares de membros eleitos também pelo PS. A deputada questionou se este tipo de contratações traduzem um bom exemplo por parte dos decisores políticos, tendo em conta que colocam em causa não só o bom nome da Câmara, mas também a competência dos contratados;
  2. “A ética está acima da legalidade” – Embora os concursos tenham respeitado, ao que tudo indica, a tramitação legal, há fortes indícios da existência de um requisito obrigatório que ficou oculto de “ser apoiante/integrante do Partido Socialista ou das suas listas”. Não sendo ilegal, não deixa de ser uma estranha e infeliz coincidência uma correlação tão evidente entre a admissão de um concurso público por pessoas com ligações à máquina do Partido Socialista em Baião.
  3. O atual Presidente de Câmara tem colocado em causa as transmissões online das reuniões de câmara, pretendendo desta forma ferir a tão aclamada transparência no exercício das suas funções. O argumento que os Baionenses não têm capacidade para discernir os temas e assuntos discutidos é bem demonstrativo da superioridade moral e intelectual que o Sr. Presidente da Câmara se coloca face aos demais. A transparência não se apregoa, pratica-se.
  4. O Sr. Presidente da Câmara encarnou num primeiro momento o papel de vítima, atribuindo palavras e objetivos que em nenhum momento foram proferidos, afunilando a questão na contratação da sua esposa, que em momento algum foi referida pelo grupo municipal do PSD que baseou a intervenção no conjunto de contratações pouco éticas que teriam sido realizadas nos últimos concursos;
  5. Visivelmente afetado pelas considerações que a oposição desferiu, o Dr. Paulo Pereira, numa atitude muito pouco dignificante de um Presidente de Câmara, demonstrou mais uma vez ser pouco tolerável ao normal e democrático escrutínio da oposição, discorrendo um chorrilho de insultos à liderança do PSD mascarado por palavras eruditas. A título de exemplo, o mesmo usou palavras como “coitados”, “inépcia” (falta de inteligência) e “desonestidade intelectual”.
  6. Perante a falta de argumentos para defender o indefensável, o Dr. Paulo Pereira refugiou-se no insulto, na insinuação e no rebaixamento. Sobre as razões que justificam a entrada de pessoas do Partido Socialista na estrutura da Câmara, nem uma palavra.
  7. O PSD Baião tem vindo a alertar para a falta de sentido democrático do Sr. Presidente, que constantemente demonstra pouca vontade em ser escrutinado, afirmando sempre que os temas são “não assuntos”. Esta falta de sentido democrático atingiu o seu auge nesta última assembleia, na qual fomos confrontados com o tom demasiado baixo com que o Sr. Presidente quis nivelar a discussão;
  8. De modo a evitar contribuir para um decadente espetáculo protagonizado pelo Sr. Presidente de Câmara, a líder do PSD anunciou o abandono da sessão pela parte do PSD, em sinal de protesto pelo que tinham acabado de presenciar. Quando o insulto e o vexame são utilizados como arma de arremesso político, a nossa resposta será sempre o silêncio e a indiferença de modo a evitar tornar a câmara da democracia municipal num lamaçal de insultos camuflados em palavras difíceis.

Na política não vale tudo e o PSD não pactua com o nível de discussão que o Sr. Presidente pretende instalar. No entanto, não será este tipo de atitudes que amedrontará o PSD a continuar a realização de um escrutínio intransigente das ações deste executivo municipal.

O Dr. Paulo Pereira prefere citar Max Webber, a bancada do PSD prefere Francisco Sá Carneiro: “O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for” e o PSD Baião, nos diversos órgãos onde foi eleito, não se irá calar.

Pela Bancada do PSD

Ana Raquel Azevedo”

 

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -