DestaqueAutarcas do Tâmega e Sousa reivindicam reforço de fundos comunitários para a...

Autarcas do Tâmega e Sousa reivindicam reforço de fundos comunitários para a região

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

Numa reunião realizada pela Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) foi contatado o ponto de situação da execução do Norte 2020 e da preparação do próximo ciclo de fundos comunitários 2021-2027 para a região Norte. Estes assuntos têm implicações diretas na atualidade, bem como no futuro da região do Tâmega e Sousa, bem como a proposta de cordo de Parceria Portugal 2030, a qual se encontra em discussão pública.

A CIM do Tâmega e Sousa avança que, no decorrer da reunião, foram partilhadas informações socioeconómicas relevantes da região Norte, bem como das sub-regiões que, evidenciando que a região do Tâmega e Sousa é uma “região-problema”, uma vez que apresenta os piores indicadores do país, um cenário que se estende ao atual ciclo de financiamento comunitário (Norte 2020).

Tendo em conta que a região do Tâmega e Sousa regista um fundo aprovado por habitante no valor de 2.028 euros, o mais baixo das oito NUTS III, que compõem a região Norte, sendo a média da região de 2.860 euros por habitante.

No âmbito dos indicadores apresentados, os autarcas do Tâmega e Sousa reivindicam ao Presidente da CCDR-N uma discriminação positiva aquando da captação de fundos no próximo quadro comunitário, considerando que só desta forma será possível a resolução de problemas estruturais na região.

Face ao pedido, o Presidente da CCDR-N mostrou-se empenhado a trabalhar com a CIM do Tâmega e Sousa no sentido de criar mais oportunidades na região. Além disso, os presidentes dos municípios que compõem a CIM do Tâmega e Sousa pronunciaram-se sobre os domínios ou tipologias que consideram ser prioridades para a região no próximo quadro comunitário 2021-2027.

As necessidades passam por investir na mobilidade e nos transportes, nomeadamente na ferrovia, na atração e captação de investimento empresarial, bem como de instituições universitárias e centros de investigação, desenvolvimento e inovação.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -