0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
RegionalGondomarVereador da Câmara de Gondomar acusado de utilizar o veículo para fins...

Vereador da Câmara de Gondomar acusado de utilizar o veículo para fins pessoais

O vereador está acusado de utilizar o veículo da autarquia durante um ano e meio para fins pessoais. José Moreira refere que utilizou sempre o carro com autorização escrita pela Câmara

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

O vereador da Câmara Municipal de Gondomar, José Moreira, está acusado de utilizar, durante um ano e meio, um carro da autarquia para fins pessoais. As informações são avançadas pelo Ministério Público.

O autarca tinha sido apanhado pela Polícia de Segurança Pública (PSP), em março do ano passado, ao deslocar-se num “Renault Talisman para restaurantes e confeitarias – ligadas a três empresas de que já foi gerente –, ao banco, à universidade que frequenta e até para dar boleia à mulher”, avança a Impala notícias. José Moreira está acusado de dois crimes de peculato, sendo que o julgamento já começou no Tribunal de São João Novo, no Porto.

Na audiência, José Moreira avançou que utilizou sempre o carro em serviço e com autorização escrita da Câmara para o utilizar. O Impala Notícias refere ainda que o ministério público pede que José Moreira “seja condenado à pena acessória de perda de mandato”.

A procuradora quer, também, que este seja obrigado a pagar ao Estado cerca de 10 mil euros, resultantes da estimativa feita do valor que este gastou à autárquica com o aluguer do carro. Além do combustível, a acusação pretende, ainda, que o vereador pague 925 euros referentes a portagens entre Guimarães e Lisboa.

As vigilâncias policiais constantes no processo mostram os passos dados pelo vereador, desde a saída de casa até ao seu regresso. Em determinadas ocasiões é possível vê-lo a carregar para a bagageira da viatura cestas e caixas de produtos de mercearia, sendo que, na acusação, pode ler-se que este “utilizou o automóvel diariamente, durante a semana e aos fins de semana, fora do exercício das suas funções de vereador”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido