DesportoVereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

Vereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

O tribunal de Matosinhos condenou, hoje, o antigo presidente do Trofense, Paulo Melro, por desviar para o futebol profissional subsídios camarários atribuídos ao desporto de formação, absolvendo outros arguidos do processo, incluindo o vereador da Trofa, Renato Pinto Ribeiro.

Paulo Melro foi condenado a quatro anos de prisão, com pena suspensa e sob a condição de entregar aos Bombeiros da Trofa, no prazo de 12 meses, três mil euros.

De acordo com o Sapo Desporto, o Estado terá de pagar “22.500 escudos, correspondente à quantia ilicitante aplicada, do mesmo modo que é obrigado a custear a publicitação do acórdão e as taxas de justiça, no valor de 306 euros.

O vereador Renato Pinto Ribeiro, eleito pelo CDS-PP no âmbito de uma coligação com o PSD, o qual detinha a ocasião dos factos o pelouro do Desporto, “foi absolvido porque ficou provado que não tinha de fiscalizar se as verbas estavam a ser aplicadas em respeito pelo contrato-programa de desenvolvimento desportivo que está em causa neste processo – no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do Clube Desportivo Trofense”, avança o Sapo Desporto.

O tribunal considerou que três técnicos, também arguidos, deveriam “fiscalizar se o dinheiro era aplicado nos termos do contrato-programa assinado e não o fizeram por ‘desleixo e incúria’”, refere.

A presidente do coletivo de juízes considerou não ter sido ficado provada a “intenção de favorecer manobras financeiras do Trofense”.

O caso remonta a julho de 2014, quando Renato Pinto Ribeiro, detentor do pelouro do Desporto, “assinou um contrato-programa de desenvolvimento desportivo com o Clube Desportivo Trofense, no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do clube”, esclarece.

De acordo com o Ministério Público, as obras em causa “não foram efetuadas”, sendo o desviado para o futebol profissional”.

No passado dia 06, Renato Pinto Ribeiro “demarcou-se de qualquer esquema para permitir que parte do dinheiro formalmente atribuído pela Câmara Municipal ao desporto de formação Trofense acabasse a pagar dívidas do futebol profissional”.

 

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -