9.6 C
Munique
16.9 C
Porto
DesportoVereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

Vereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

Paulo Melro foi condenado a quatro anos de prisão com pena suspensa, sob a condição de entregar três mil euros aos Bombeiros da Trofa, no prazo de 12 meses.

Relacionados

PCP pede esclarecimentos à ARS Norte pela demissão dos responsáveis pela Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto

O Partido Comunista Português (PCP) avançou, ontem, uma proposta para realizar uma audição da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) relativa à...

Milhares de portugueses apoiam greve aos combustíveis nas redes sociais

Um grupo criado no Facebook há 48 horas, intitulado de “Greve aos combustíveis”, conta já com mais de 500 mil membros. Na descrição é...

Jovem pacense em Erasmus morreu na Polónia

Na Varsóvia, capital da Polónia, foi encontrado o corpo de uma jovem natural de Penamaior, freguesia de Paços de Ferreira, numa varanda de uma...

O tribunal de Matosinhos condenou, hoje, o antigo presidente do Trofense, Paulo Melro, por desviar para o futebol profissional subsídios camarários atribuídos ao desporto de formação, absolvendo outros arguidos do processo, incluindo o vereador da Trofa, Renato Pinto Ribeiro.

Paulo Melro foi condenado a quatro anos de prisão, com pena suspensa e sob a condição de entregar aos Bombeiros da Trofa, no prazo de 12 meses, três mil euros.

De acordo com o Sapo Desporto, o Estado terá de pagar “22.500 escudos, correspondente à quantia ilicitante aplicada, do mesmo modo que é obrigado a custear a publicitação do acórdão e as taxas de justiça, no valor de 306 euros.

O vereador Renato Pinto Ribeiro, eleito pelo CDS-PP no âmbito de uma coligação com o PSD, o qual detinha a ocasião dos factos o pelouro do Desporto, “foi absolvido porque ficou provado que não tinha de fiscalizar se as verbas estavam a ser aplicadas em respeito pelo contrato-programa de desenvolvimento desportivo que está em causa neste processo – no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do Clube Desportivo Trofense”, avança o Sapo Desporto.

O tribunal considerou que três técnicos, também arguidos, deveriam “fiscalizar se o dinheiro era aplicado nos termos do contrato-programa assinado e não o fizeram por ‘desleixo e incúria’”, refere.

A presidente do coletivo de juízes considerou não ter sido ficado provada a “intenção de favorecer manobras financeiras do Trofense”.

O caso remonta a julho de 2014, quando Renato Pinto Ribeiro, detentor do pelouro do Desporto, “assinou um contrato-programa de desenvolvimento desportivo com o Clube Desportivo Trofense, no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do clube”, esclarece.

De acordo com o Ministério Público, as obras em causa “não foram efetuadas”, sendo o desviado para o futebol profissional”.

No passado dia 06, Renato Pinto Ribeiro “demarcou-se de qualquer esquema para permitir que parte do dinheiro formalmente atribuído pela Câmara Municipal ao desporto de formação Trofense acabasse a pagar dívidas do futebol profissional”.

 

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido