19.3 C
Munique
18.6 C
Porto
DestaqueAutarcas do Porto, Valongo e Maia visam a necessidade de um heliporto...

Autarcas do Porto, Valongo e Maia visam a necessidade de um heliporto no Hospital de São João

Foi assinado um ofício para vincar a importância estratégica da construção de um heliporto, com soluções para financiamento e construção. O heliporto trará vantagens para transporte de doentes críticos, que precisam de cuidados urgentes.

Relacionados

Conheça os candidatos do Partido Socialista à Câmara Municipal de Paredes

O Partido Socialista de Paredes apresentou a recandidatura de Alexandre Almeida à Câmara Municipal. O recandidato à Câmara Municipal de Paredes tem 47 anos e...

Vereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

O tribunal de Matosinhos condenou, hoje, o antigo presidente do Trofense, Paulo Melro, por desviar para o futebol profissional subsídios camarários atribuídos ao desporto...

Meia maratona do Porto condiciona o trânsito a partir de sexta-feira

A 14ª meia maratona do Porto irá provocar, a partir de sexta-feira e, até domingo, o trânsito permanecerá condicionado, bem como o estacionamento, em...

Após ter sido realizada uma visita à Unidade de Saúde de referência hospitalar no norte do país, Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Valongo e António Silva Tiago, presidente de Câmara Municipal da Maia, assinaram um ofício por forma a vincar a importância estratégica de construção de um heliporto, apontando uma solução de financiamento para a construção.

De acordo com Rui Moreira, “o Hospital de São João tem uma especial preponderância nestes três municípios e temos de persuadir o governo, dentro dos fundos estruturais europeus existentes para a região, a financiar a obra. As nossas câmaras, se for caso disso, estão disponíveis para repartir entre si a percentagem da componente nacional”, avança o Sapo24.

A par destas afirmações, Rui Moreira referiu existir “uma desigualdade”, avançando que aos “hospitais de Lisboa e Vale do Tejo, que não podem concorrer a estes fundos, os apoios estão a ser dados diretamente pelo Estado central, o que não me parece mal, mas quando falamos em hospitais de regiões de convergência, como o nosso, tem de se arranjar financiamento com fundos europeus e a componente nacional fica sempre pendurada”.

Rui Moreira considerou “ilógico” que, num caso de urgência, se transportem doentes para o heliporto do Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, para que sejam reencaminhados de ambulância para o São João.

Neste sentido, para solucionar esta questão, a administração do Hospital de São João, com o apoio da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), desenvolveu “um projeto para a construção do equipamento nas suas instalações, avaliado em 1.4 milhões de euros, que já foi alvo de um concurso público e tem um concorrente apto a concluir a empreitada em seis meses, logo que o financiamento seja atribuído”.

O presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de São João, Fernando Araújo, considerou o projeto “emblemático, não só para o hospital como para a região. Esta é a unidade de referência para doentes críticos de todo o Norte, nomeadamente na vertente pediátrica e nos doentes queimados, mas temos problemas no acesso quando são doentes que precisam cuidados urgentes”, considera.

O investimento para a construção do heliporto faz parte do Plano de Atividades e Orçamento do Centro Hospitalar de São João, tendo já sido aprovado pelos ministérios da Saúde e das Finanças.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido