DestaqueLousada – Apreensão de 220 plantas de espécies invasoras

Lousada – Apreensão de 220 plantas de espécies invasoras

Relacionados

Paredes: Dois homens com antecedentes detidos por roubo

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal de Penafiel deteve, no passado dia 12 de junho, dois homens de 28...

Santo Tirso: Câmara Municipal alvo de buscas pela PJ

A Polícia Judiciária do Porto realizou, na passada quarta-feira, dia 12 de junho, buscas na Câmara Municipal de Santo Tirso e em três empresas...

AD e PS dividem vitórias nos Concelhos da Região do Tâmega e Sousa

A população europeia, foi, no passado dia 09 de junho, chamada a votar para eleger os assentos no Parlamento Europeu. Na região do Tâmega...

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Felgueiras, no dia 18 de dezembro, apreendeu 220 plantas de espécies invasoras e identificou um homem de 36 anos, no concelho de Lousada.

WORKIT-12ano

No âmbito de uma ação de fiscalização, os militares da Guarda detetaram numa habitação na freguesia de Torno, no concelho de Lousada, 200 unidades de Jacintos de Água, Eichhornia crassipes, 20 unidades de Elódea-densa e Egeria-densa, e cerca de dois metros quadrados de Salvina molesta, Salvinia-molesta, constantes na Lista Nacional de Espécies Invasoras. As plantas foram de imediato apreendidas, ao abrigo da legislação aplicável ao controlo, à detenção, à introdução na natureza e ao repovoamento de espécies exóticas e prevenção e gestão da introdução e propagação de espécies exóticas invasoras.

Durante a ação policial, foi identificado um homem de 36 anos, detentor das espécies invasoras e elaborado um auto de contraordenação remetido ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

A Guarda Nacional Republicana informa que a compra, venda, oferta de venda, cultivo, criação ou comércio como planta ornamental ou animal de companhia de espécimes de espécies incluídas na Lista Nacional de Espécies Invasoras, constitui uma contraordenação ambiental muito grave, punível com uma coima de 10 000 a 100 000 euros, em caso de negligência, e de 20 000 a 200 000 euros, em caso de dolo.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -