RegionalDurão Barroso afirma que as farmacêuticas deveriam acabar com a pandemia ao...

Durão Barroso afirma que as farmacêuticas deveriam acabar com a pandemia ao invés de ganhar mais dinheiro

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

De acordo com o Jornal de Negócios, já foram avançadas as considerações de Durão Barroso, presidente da Aliança Global para as Vacinas, face à situação atual existente entre a vacinação e os interesses das farmacêuticas portuguesas. Durão Barroso acredita que “os fabricantes devem comprometer-se a ajudar a acabar com a fase aguda da pandemia e isso significa trabalhar diretamente com a Covax [plataforma internacional de distribuição equitativa de vacinas] em vez de buscar maiores ganhos financeiros por meio de acordos bilaterais.

O presidente da Aliança Global para as Vacinas foi ainda questionado acerca da escassez de vacinas que está, de momento, a afetar vários países, devido às limitações de produção, ao que Durão Barroso afirma ser necessário “investir na capacidade de manufatura nesses mesmos países e apoiar o seu fabrico por meio de acordos de transferência de tecnologia”.

A Covax é liderada pelo Aliança Global para as Vacinas (GAVI), pela Organização Mundial de Saúde e pela coligação CEPI. Em declarações à Lusa, o Jornal Económico avança que Durão Barroso referiu que “além, obviamente, da grande divergência entre os interesses em jogo, [a abertura da propriedade intelectual para vacinas] não leva em consideração a complexidade do seu desenvolvimento científico e tecnológico, que geralmente envolve milhares de etapas e um grande ‘know-how’”, impossibilitando a fabricação por produtores de genéricos.

Durão Barroso alertou ainda a industria farmacêutica para as mutações do vírus, adiantando que “parece cada vez mais claro que os fabricantes poderão ter que se ajustar à evolução viral, incluindo, potencialmente, o fornecimento de futuras doses de reforço”, evidenciando ainda a necessidade de acesso equitativo às vacinas, uma vez que, quanto mais o vírus se espalhar, não existindo um controlo, maiores serão as oportunidade dele sofrer mutações, existência de reinfeções e novos surtos de pandemia, conclui.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -