Nacional#EstudoEmCasa com novo canal televisivo para apoiar os alunos do ensino secundário

#EstudoEmCasa com novo canal televisivo para apoiar os alunos do ensino secundário

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

A partir de hoje, as aulas do #EstudoEmCasa na televisão dirigem-se, também, aos alunos do Ensino Secundário. Assim, os “75 blocos pedagógicos temáticos semanais produzidos para o Ensino Secundário, que desde o início do ano letivo têm vindo a ser disponibilizados na RTP Play” irão estar disponíveis na televisão digital terrestre (TDT) na posição 8 e na posição 9 nos Açores e na Madeira, espaço esse “ainda sem programação”. Já nas operadoras de cabo, será utilizada a posição 444.

Sendo necessário voltar ao ensino à distância, tendo em conta a força da pandemia, “ter redundância na disponibilização de recursos pedagógicos é especialmente relevante”, refere o Governo em nota.

Recorde-se que o #EstudoEmCasa nasceu em abril de 2020 numa parceria entre o Ministério da Educação e a RTP, de forma a complementar o ensino à distância já realizado por parte das escolas.

Mesmo depois do ensino presencial voltar, o Ministério da Educação procurou manter e alargar o projeto ao Ensino Secundário, de forma a transformar o #EstudoEmCasa no “conjunto mais completo de recursos educativos em língua portuguesa acessível a todos e em formato televisivo”, adianta o Governo.

Agora, o #EstudoEmCasa passa a estar disponível na televisão, do 1º ao 12º ano de escolaridade, de segunda a sexta-feira, de forma a reforçar a aprendizagem num contexto síncrono e/assíncrono, “quer para o trabalho autónomo dos alunos, quer para o enriquecimento dos recursos didáticos dos professores, cumprindo-se a maior parte das componentes curriculares dos cursos científico-humanísticos (do 10º ao 12º ano) e dos cursos profissionais (do 1º ao 3º ano)”, garante o Governo.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -