19.3 C
Munique
18.6 C
Porto
DestaqueJerónimo de Sousa crítica o Partido Socialista por não aumentar o salário...

Jerónimo de Sousa crítica o Partido Socialista por não aumentar o salário mínimo nacional

Algumas das linhas do PCP para o futuro são o aumento do salário mínimo, o combate à precariedade e uma maior oferta pública de habitação social

Relacionados

Conheça os candidatos do Partido Socialista à Câmara Municipal de Paredes

O Partido Socialista de Paredes apresentou a recandidatura de Alexandre Almeida à Câmara Municipal. O recandidato à Câmara Municipal de Paredes tem 47 anos e...

Vereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

O tribunal de Matosinhos condenou, hoje, o antigo presidente do Trofense, Paulo Melro, por desviar para o futebol profissional subsídios camarários atribuídos ao desporto...

Meia maratona do Porto condiciona o trânsito a partir de sexta-feira

A 14ª meia maratona do Porto irá provocar, a partir de sexta-feira e, até domingo, o trânsito permanecerá condicionado, bem como o estacionamento, em...

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), encerrou a Festa do Avante no dia de ontem com críticas ao Partido Socialistas por não realizar aumentos no salário mínimo, considerando o aumento inadiável.

De acordo com Jerónimo de Sousa, “o aumento do Salário Mínimo Nacional para os 658,20 euros não pode ficar dependente da recusa do Partido Socialista em encontrar as fontes de financiamento que garantam a estabilidade da Segurança Social”, defendeu.

O secretário-geral do PCP refere estar contra o encerramento da refinaria de Matosinhos, sendo “preciso uma reindustrialização do país, em vez de uma desindustrialização a que assistimos todos os dias, e como é exemplo a refinaria de Matosinhos”, considerando que o despedimento coletivo nesta unidade industrial, mostrando complacência e cumplicidade do Governo PS com as forças políticas mais à direita no Parlamento.

Algumas das principais linhas do Partido Comunista Português para o futuro, de acordo com o JN, regem-se pelo “aumento do salário mínimo para os 850 euros, o combate à precariedade, garantia de lares, creche gratuitas, maior oferta pública de habitação social e o aumento do valor do abono de família”, esclarece.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido