8.7 C
Munique
16.9 C
Porto
NacionalLimitação de margens nos valores dos combustíveis poderá fechar bombas e travar...

Limitação de margens nos valores dos combustíveis poderá fechar bombas e travar a concorrência

Quem faz o alerta é a Autoridade da Concorrência, que teme efeitos sobre os operadores de menor dimensão. A proposta do Governo fixa apenas as margens dos combustíveis simples, excluindo os aditivados.

Relacionados

PCP pede esclarecimentos à ARS Norte pela demissão dos responsáveis pela Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto

O Partido Comunista Português (PCP) avançou, ontem, uma proposta para realizar uma audição da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) relativa à...

Milhares de portugueses apoiam greve aos combustíveis nas redes sociais

Um grupo criado no Facebook há 48 horas, intitulado de “Greve aos combustíveis”, conta já com mais de 500 mil membros. Na descrição é...

Jovem pacense em Erasmus morreu na Polónia

Na Varsóvia, capital da Polónia, foi encontrado o corpo de uma jovem natural de Penamaior, freguesia de Paços de Ferreira, numa varanda de uma...

O Governo avançou uma proposta de lei a limitação de margens de combustíveis, isto para restringir a concorrência e afastar as empresas de menor dimensão do mercado, chegando a fechar postos de combustível.

O alerta é da Autoridade da Concorrência com uma avaliação de 12 páginas à proposta que, na última sexta-feira, aprovando na generalidade no Parlamento, com votos contra do CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal e abstenção do PSD, avança a TSF.

O documento em causa, que avalia a proposta legislativa, partiu de uma iniciativa realizada pela Autoridade da Concorrência e enviado aos deputados na última semana. A autoridade em causa, alerta a Assembleia da República para os “riscos de distorção da concorrência”, aquando fixadas as margens máximas para o GPL em garrafa e combustíveis simples.

A TSF avança que o documento detalha que “a imposição de um limite máximo a um nível artificialmente baixo, que não permita aos operadores recuperarem os custos de fornecimento, poderá ter um impacto negativo nos investimentos e manutenção dos ativos e potenciar a saída de operadores, em particular de menor dimensão, com impacto na capilaridade da rede de postos e na concorrência”.

Já a Autoridade da Concorrência afirma que, no caso da proposta seja impor um “limite máximo à margem de comercialização de referência, sem incorporar as diferenças em termos de custos ou outras entre operadores, não se exclui que tal possa impulsionar assimetrias entre os operadores”.

A proposta avançada pelo Governo também não fixa as margens dos combustíveis aditivados, somente as margens dos combustíveis simples, sendo que a “diferença de preços entre estes dois tipos de combustíveis pode aprofundar-se distorcendo, igualmente, a concorrência”, complementa a TSF.

Para a Autoridade de Concorrência é importante “avaliar a adequação da proposta de lei do Governo, ponderando ‘eventuais medidas alternativas passíveis de introduzir maior dinâmica concorrencial nos mercados em causa’”. Já no GPL em garrafa, por exemplo, e proposta a criação de tarifas sociais para proteção dos consumidores vulneráveis.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido