2.8 C
Munique
12 C
Porto
NacionalInspeção das motas será obrigatória a partir de 1 de janeiro de...

Inspeção das motas será obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2022

Em janeiro de 2022 irá arrancar a inspeção obrigatória nas motas com mais de 125 cc, quando termina o prazo para a transposição da legislação europeia para Portugal. Centros de inspeção alertam falta de classificação de deficiências e cursos de qualificação dos inspetores.

Relacionados

GNR e Polícia Municipal de Paredes fiscalizam autocarros e transportes escolares

A GNR e a Polícia Municipal de Paredes procederam a uma ação de fiscalização conjunta aos autocarros e transportes escolares, na Escola Secundária e...

Freguesias de Amarante terão um Balcão SNS24 para apoiar os Centros de Saúde

O Município em parceria com o ACES Baixo Tâmega prepara-se para instalar Balcões do SNS24 em Ansiães e Gondar, criando condições de maior proximidade...

GNR apreendeu 5 mil artigos pirotécnicos em Paredes

A GNR de Penafiel apreendeu, na passada quarta-feira, cerca de 5 mil artigos pirotécnicos e identificou um homem de 31 anos pela venda de...

O Secretária de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, avançou ao Jornal de Negócios, esta segunda-feira, que “a partir de 1 de janeiro de 2022, todas as motas de 125 centímetros cúbicos para cima passam a ter de ir à inspeção”.

O prazo para a transposição diretiva europeia, a qual determina a obrigatoriedade da inspeção, termina a 31 de dezembro do presente ano. Isto é, a partir de 1 de janeiro de 2022, cerca de 450 mil motociclos irão ter de realizar inspeções periódicas obrigatórias, avança o JN.

A legislação não abrange os veículos de duas rodas com 50 cc.

Em declarações ao mesmo jornal, o Secretário de Estado refere ainda que “o decreto-lei está em circuito legislativo e vai ser aprovado em conselho de ministros em breve”, esclarece.

De acordo com o JN, a alteração em questão entra em vigor “quase 10 anos depois de o governo de Passos Coelho ter aprovado, em decreto-lei, a inspeção obrigatória de motociclos, que incluía triciclos e quadriciclos com cilindrada superior a 250 cc”, refere.

Assim, com a inspeção das motas à vista, os centros de inspeção que investiram milhões para se prepararem para o processo, alertam estar em falta a “classificação das deficiências e que faltam os cursos de qualificação dos inspetores”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido