DestaqueMEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

A plataforma MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados e os livros na posse nos alunos.

O Ministério da Educação avançou que “com o ano letivo em curso, cerca de seis milhões de ‘vouchers’ foram emitidos através da plataforma MEGA, prevendo-se que as movimentações que ainda ocorram, por parte das escolas, sejam muito residuais. A percentagem de resgates é já de cerca de 80%, o que significa que a esmagadora maioria dos encarregados de educação e/ou alunos levantaram os manuais disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Educação”.

Os vouchers são utilizados pelas famílias, nas livrarias aderentes, para levantarem os manuais gratuitamente, enquanto àqueles a quem os manuais reutilizados dizem respeito, devem ser levantados nas respetivas escolas.

As aulas arrancaram durante a semana passada e, na altura, as livrarias e editoras admitiram atrasos de semanas na entrega dos manuais, o que, consequentemente, poderia levar a que, no início de outubro houvesse alunos ainda sem livros.

Em declarações à Lusa, um responsável por duas livrarias, relataram atrasos nas entregas de manuais encomendados no início de setembro, de acordo com a TVI 24, “com milhares de livros por entregar, alguns dos quais esgotados, e novas encomendas ainda a entrar”, esclarece.

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, já admitia a possibilidade de “dificuldade no abastecimento das livrarias”, acrescentando que “Imprimir os livros e distribuí-los por todo o país, chegando a mais de 600 mil famílias, é um processo logístico extremamente complexo que requer mais tempo do que as editoras dispuseram este ano, o que está a causar enorme pressão em todas as estruturas e nos recursos humanos”.

Entre terça-feira e sexta-feira da semana passada, os cerca de 1,2 milhões de alunos do ensino obrigatório regressaram todos, oficialmente, à escola para mais um ano em ambiente pandémico e com regras apertadas de controlo de contágio da Covid-19.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -