6.4 C
Munique
17.2 C
Porto
DestaqueMetade dos concelhos em Portugal não têm toda a oferta formativa no...

Metade dos concelhos em Portugal não têm toda a oferta formativa no secundário

As principais áreas disponíveis para os alunos do Ensino Secundário estão disponíveis em apenas 127 concelhos do país

Relacionados

Paços de Ferreira: Vendedor de tabaco sequestrado e assaltado em Ferreira

Na passada quinta-feira, em Ferreira, freguesia de Paços de Ferreira, um grupo de assaltantes sequestrou e roubou um vendedor de tabaco, de 31 anos. A...

Município de Felgueiras celebra escrituras com proprietários para a Zona Industrial das Barrancas

O Município de Felgueiras formalizou o compromisso assumido com os proprietários que aceitaram a negociação amigável no processo de expropriação em que Nuno Fonseca,...

Município de Baião presta apoio ao consumidor endividado através do centro de informação autárquico

A Câmara Municipal de Baião encontra-se a prestar um serviço de ajuda aos clientes bancários com dificuldades no cumprimento de contratos de crédito, através...

As áreas de formação disponíveis para os alunos do Ensino Secundários passam por Línguas e Humanidades, Ciências e Tecnologias, Ciências Socioeconómicas e Artes Visuais, no entanto, esta oferta formativa está disponível apenas em 127 concelhos do país, o equivalente a 45,7% dos concelhos do continente português.

Em 33 municípios de Portugal não existe, sequer, este nível de escolaridade obrigatória. Em oito, existe apenas um curso e em 49 municípios, duas opções.

Estas desigualdades são mais visíveis no interior do país, onde os alunos que gostam de artes e economia se vêm vedados da oferta formativa.

Em Portugal, existem jovens com 14 e 15 anos que vivem sozinhos para poderem frequentar os cursos pretendidos, bem como existem famílias que mudam de área de residência pelo mesmo motivo. No entanto, muitos dos jovens não vêm as suas realidades facilitadas e, por isso, acabam por verem o percurso académico limitado no Secundário.

Este é um problema que não é novo, no entanto, com a quebra da natalidade, este problema tem-se vindo a intensificar.

Face a esta realidade, o Ministério da Educação afirmou, por escrito, a existência de “territórios com número cada vez mais reduzido de alunos dos cursos científico-humanísticos”, devido à “redução paulatina dos nascimentos, particularmente intensa no Interior”, acrescentando a procura pelas “vias profissionalizantes” como fator responsável pela realidade.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido