2.7 C
Munique
9.2 C
Porto
DestaqueOIT refere que perda de horas de trabalho em 2021 é “significativamente...

OIT refere que perda de horas de trabalho em 2021 é “significativamente maior do que o estimado”

Relacionados

Associação de Municípios do Douro e Tâmega (AMDT) com orçamento de 1,37M para 2023

O Conselho Diretivo da Associação de Municípios do Douro e Tâmega (AMDT) aprovou hoje, 28 de novembro, o Plano Plurianual de Investimentos 2023-2026. O documento prevê...

Pedro Santinho Mendes estreia-se a vencer em Fronteira

Com muitos milhares de espetadores e um sol radioso, a 10ª edição da BP Ultimate 4 Horas SSV Vila de Fronteira foi pródiga em...

Braga – Câmara de Braga transfere mais de 600 mil euros para Freguesias e instituições do Concelho

Mais de 600 mil euros é quanto o Município de Braga vai transferir para financiar a execução de várias obras em diversas Freguesias e...

A 8ª edição do relatório “Covid-19 no mundo do trabalho”, divulgada esta quarta-feira, revela uma recuperação ao nível global estagnada bem como a existência de disparidades entre economias desenvolvidas e em desenvolvimento.

De acordo com o documento avançado pela Organização Internacional do Trabalho a perda de horas de trabalho contabilizadas no ano de 2021 é “significativamente maior do que o estimado”, uma vez que a recuperação a duas velocidades, entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento ameaça, atualmente, a economia global como um todo.

Desta forma, a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), avança que o total de horas de trabalho nos países de elevado rendimento foi, durante o terceiro trimestre de 2021, 3,6% inferior ao verificado no quarto trimestre de 2019.

Nos países de baixo rendimento, a diferença era de 5,7% e, nos países de rendimento médio-baixo de 7,3%. A ACT complementa que, quando analisados os dados numa perspetiva regional é possível verificar que a Europa, bem como a Ásia Central, registaram “a menor perda de horas trabalhadas, em comparação com os níveis de pré-pandémicos (2,5%). Já nas Américas, África e Estados Árabes foram registados declínios mais acentuados (de 5,4%, 5,6% e 6,5% respetivamente).

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido