-1.4 C
Munique
6.7 C
Porto
NacionalPortoProfessor da FDUP recusa dar exame a aluna por a considerar estar...

Professor da FDUP recusa dar exame a aluna por a considerar estar “muito destapada”

Perante a recusa, a estudante cedeu e conseguiu realizar a prova. Após terem sido feito as denúncias, a direção da FDUP instaurou um processo para averiguações

Relacionados

Cinfães conta com nova unidade de saúde em Nespereira

As novas instalações da Unidade de Saúde de Nespereira, em Cinfães, entraram em funcionamento hoje e servirão 1725 utentes. A Administração Regional de Saúde do...

Felgueiras acolhe oficina de inovação para capacitar tecido empresarial

O Município de Felgueiras avança que, face ao contexto pandémico, que acrescentou grandes adversidades ao tecido empresarial e introduziu mudanças na lógica e comportamento...

GNR e Polícia Municipal de Paredes fiscalizam autocarros e transportes escolares

A GNR e a Polícia Municipal de Paredes procederam a uma ação de fiscalização conjunta aos autocarros e transportes escolares, na Escola Secundária e...

Na Faculdade de Direito da Universidade do Porto (FDUP), um professor recusou-se a entregar o enunciado de exame a uma aluna, na sexta-feira, “por causa da forma como estava vestida, considerando que a estudante estava ‘muito destapada’, segundo a denúncia feita por um núcleo da faculdade nas redes sociais”, avança o jornal Público.

Ao Público, fonte da FDUP avançou que a universidade “instaurou um processo de averiguações relativamente aos factos reportados”.

“Mesmo depois de a aluna ter cedido à ‘pressão’ para vestir um casaco, o enunciado do exame de recurso da unidade curricular História do Direito só terá sido entregue depois da insistência de outro aluno”, avança o público, acrescentando que “a estudante acabou por fazer o exame, mas com menos tempo”.

A situação em questão foi denunciada no sábado, nas redes sociais do núcleo HeforShe da FDUP.

Num comunicado emitido pela FDUP é possível ler-se que “uma Faculdade de Direito pública sujeita ao regime do artigo 43.º da Constituição da República Portuguesa, onde, por isso, não podem ter lugar quaisquer ‘diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas’”, referindo ainda que “a faculdade será rigorosa – como sempre foi- quanto ao escrupuloso cumprimento deste comando institucional”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido