10.3 C
Munique
20.7 C
Porto
OpiniãoIrá ser a minha geração, a da paridade entre homem e mulher?

Irá ser a minha geração, a da paridade entre homem e mulher?

Relacionados

Inspeção das motas será obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2022

O Secretária de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, avançou ao Jornal de Negócios, esta segunda-feira, que “a partir de 1 de janeiro de 2022,...

Detido em Penafiel por agressão física e psicológica à esposa

A GNR do Penafiel deteve, na passada quinta-feira, um homem de 54 anos por violência doméstica no concelho de Penafiel. No decorrer de uma investigação...

Presidente da Iniciativa Liberal visitou ETAR de Paços de Ferreira após denúncias de habitantes

Hoje, a Iniciativa Liberal reuniu o candidato à Assembleia da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, João Carneiro, e o Presidente da Iniciativa Liberal,...

Dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o dia em que se felicitam as mulheres pela sua força, luta e capacidade de superação.

E que difícil que é ser mulher!

Um dia internacional é o mínimo tendo em conta a desigualdade de género que ainda se vive, o ter de trabalhar mais, de ser mães e ainda obrigadas a ser discretas.

Numa altura em que tivemos de adaptar as nossas vidas a uma pandemia, em que se valorizam esforços e se luta por um “vai ficar tudo bem”, agravam-se problemas como a desigualdade de género. Com a situação pandémica, verifica-se um aumento de quase 30% da violência doméstica contra as mulheres na maioria dos países europeus. O fardo de trabalho doméstico (maioritariamente feito por mulheres) conciliado à telescola e ao teletrabalho ganhou outras dimensões.

É preocupante, sempre foi, mas onde está a assertividade dos nossos políticos na resolução destas problemáticas que já duram há anos?

Nada se faz, nós mulheres, continuamos a ser ridicularizadas e acusadas de sermos hormonais. A misoginia é evidente e só se tem agravado, continuamos a ser vítimas de assédio, de ameaças, de abusos, de uma disparidade salarial e de uma ainda maior precaridade, sobretudo as mais jovens. Esta desigualdade verifica-se em vários setores e o mais escandalosamente visível é o político. Verifica-se em todo o setor político uma estruturação essencialmente masculina, onde a mulher não partilha dos mesmos poderes de um homem, onde somos uma minoria e lutamos diariamente para legitimar um lugar que aos homens é facilitado, continuamos a ser excluídas de cargos de prestígio e de posições de topo.

A minha geração não pode compactuar com esta situação.

O batom vermelho e a roupa arrojada vão continuar a ser um problema e a mulher vai permanecer um vírus que a sociedade quer inferiorizar enquanto não forem tomadas medidas e os nossos governantes não começarem a dar o exemplo.

Disse recentemente Rui Rio que é preciso continuar a apostar na captação de mais mulheres para servir o bem comum e o Estado nos seus diversos patamares (central, regional e local).

E não podia estar mais certo!

Em Paredes, por exemplo, pouco ou nada se tem feito em prol da paridade entre os sexos. Quando muito tem-se cumprido os mínimos legalmente exigidos.

E isto precisa de mudar!

Também isto precisa de mudar!

E eu acredito que também isto vai mudar!

Não se trata de mudar as mulheres, mas sim de todo um sistema que nos impede de alcançar o nosso potencial e os nossos direitos de igualdade.

Lutemos, juntas e juntos, para que os homens deixem de ser tidos como regras e as mulheres como exceção e que o verbo continuar deixe de ser banal na desigualdade de género.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido