-1.4 C
Munique
6.7 C
Porto
OpiniãoLiberalismo: liberdade e responsabilidade

Liberalismo: liberdade e responsabilidade

Relacionados

Porque votar CDU nas próximas eleições legislativas?

O voto na CDU é um voto que conta e dá mais força a quem defende, uma verdadeira política patriótica e de esquerda e...

Votar diferente, um imperativo nacional

No próximo dia 30 de janeiro, os portugueses serão novamente chamados às urnas para decidir a composição da Assembleia da República. Estas eleições ocorrem...

Maioria absoluta, prepotência absoluta

Em 28 de agosto de 2019, António Costa, do PS, disse que os portugueses não gostam de maiorias absolutas  porque guardam más memórias das...

Nos últimos tempos a palavra liberalismo tem surgido com mais destaque no léxico nacional. Quer em termos políticos quer em termos sociais e económicos.

E ainda bem!

Esta dinâmica de liberdade individual e responsável reaparece contra a melancolia coletiva em que nos encontramos, rodeados de regras e restrições, numa altura de grande transformação da sociedade e de desafios políticos acrescidos.

Portugal nunca terá sido uma verdadeira democracia liberal e a pandemia acentuou esta crença. Aparentemente, o novo normal está assente no medo, no controlo e manipulação da informação e na dependência, numa contínua deterioração das funções do estado, no compadrio, nepotismo e em teias de corrupção que toda a gente conhece e ninguém se parece importar.

Em termos históricos podemos dizer que o liberalismo clássico surgiu em Inglaterra no século XVII através das ideias do filósofo John Locke – ver a série de episódios do Instituto Mais Liberdade sobre o tema. Vários foram os pensadores, políticos e filósofos que desenvolveram estas ideias até aos nossos dias e que merecem uma leitura atenta: David Hume, Adam Smith, Friedrich Hayek, Karl Popper, Isaiah Berlin ou até Fernando Pessoa.

Por isso, à pergunta o que é o liberalismo, recorro a este grande escritor português, Fernando Pessoa, que o definiu assim: o liberalismo é “a doutrina que mantém que o indivíduo tem o direito de pensar o que quiser, de exprimir o que pensa como quiser, e de pôr em prática o que pensa como quiser, desde que essa expressão ou essa prática não infrinja diretamente a igual liberdade de qualquer outro indivíduo.”

 

Diferentes conceções da realidade

Podemos ter diferentes conceções de liberdade, mas não podemos confundir prioridades: a autodeterminação do individuo e do seu espírito crítico.

Podemos entender a economia de formas diferentes, mas não podemos exibir chavões irracionais que nos levam a monopólios e oligopólios, estatais e privados, à dependência do estado e ao totalitarismo económico.

Podemos ter diferentes conceções da sociedade, mas não podemos ficar presos apenas à espuma do dia das causas fraturantes, a movimentos de desprezo da história, do cancelamento cultural, ao favoritismo do cartão partidário e à velha máxima de que somos todos iguais. Não somos. Somos todos diferentes. Temos diferentes necessidades e precisamos de ser tratados de forma diferente para, aí sim, termos as mesmas oportunidades no futuro com base no mérito e na equidade.

Por isso, a realidade está mesmo longe da ficção politizada e Portugal arrisca-se a tornar-se num dos países mais pobres da União Europeia. Estamos numa espiral decadente. Precisamos evoluir enquanto sociedade e não ter medo da mudança.

O elevador social

Não precisamos de uma política centralista que olha para o país como um quadro de números. Temos a tecnologia para ir individualmente e promover relações de espírito livre e democrático, com valores humanitários e tolerantes, respeitando o ambiente e a sociedade, procurando a equidade e o crescimento da riqueza através do mérito e dos objetivos e preferências de cada um.

O elevador social está em cada um de nós, não nas mãos de iluminados da soberba e paternalistas que se assumem como salvadores do passado e a adiar sempre o futuro.

O elevador social está na educação e na saúde, livre e universal, sem amarras ideológicas entre público e privado, entre pobres e ricos.

O elevador social está na aceitação que somos todos diferentes e que há desigualdade justa e injusta. Diferentes necessidades e prioridades.

O elevador social está na democracia liberal. No crescimento da riqueza e não na repartição de um bolo cada vem mais pequeno e amargo, apoiados sempre na caridade do próximo orçamento comunitário.

 

Participação política para todos

Ancestral, a política é um conjunto evolutivo de opiniões e ideias que vão ganhando tração e juntando pessoas pelo caminho. Uma espécie de missão. Quando há um consenso alargado é estranho. Quando se polariza, é fraturante. Mas quando há mais vias é refrescante e agitadora.

Estamos amorfos há muito tempo. É preciso desenharmos movimentos contrários perpétuos, como a guitarra de Carlos Paredes, ideias com impacto e inspiração, contra a mediocridade que nos rodeia.

A participação política é de todos e para todos.

Ninguém deve ter receio de ter uma visão hoje e amanhã outra. Somos o resultado de choques de ideias, disrupção, falhas e seleção.

Mas ficar resignados, não! Usar o medo como bandeira, não! Vamos em busca da ação, mas com liberdade e responsabilidade.

Podemos olhar para a mudança como vinda de cima para baixo. Mas a mudança deve começar em nós, individualmente. De baixo para cima. Da nossa individualidade para a nossa família, da nossa aldeia para o concelho e daí para região, para o país e para o mundo.

Tomar conta do nosso destino é muito mais do que ficar à espera que alguém decida por nós.

 

Vítor Ribeiro, 12/12/2021

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido