-1.4 C
Munique
6.7 C
Porto
OpiniãoNarcissism Killed The Cat

Narcissism Killed The Cat

Relacionados

Porque votar CDU nas próximas eleições legislativas?

O voto na CDU é um voto que conta e dá mais força a quem defende, uma verdadeira política patriótica e de esquerda e...

Votar diferente, um imperativo nacional

No próximo dia 30 de janeiro, os portugueses serão novamente chamados às urnas para decidir a composição da Assembleia da República. Estas eleições ocorrem...

Maioria absoluta, prepotência absoluta

Em 28 de agosto de 2019, António Costa, do PS, disse que os portugueses não gostam de maiorias absolutas  porque guardam más memórias das...

O que pode levar a que um homem inteligentíssimo e experiente se exponha de tal forma que, mesmo pretendendo fugir à justiça, acabe por dar pistas e indicadores claros do seu paradeiro que levam à sua deteção e consequente prisão.

O que pode ter levado Rendeiro a dar uma entrevista inconsequente e sem proveito, aparente, nenhum.

É o narcisismo estúpido, é o narcisismo…

O narcisismo, essa doença coletiva, que empesta toda a classe política, empresarial e cada um de nós, cuja muita da sua excrescência está na relação direta com a perda da importância da religião na vida de cada um e de todos, na perda da importância da luta ideológica e de tudo o quanto são ideais universais e coletivos capazes de mobilizarem a comunidade e a sociedade fazendo sublimar desejos e pulsões individuais.

Vivemos tempos de hedonismo, de micro-heróis, de omnipotência com “pés de barro”. Os tempos dos “gatos que se olham ao espelho e se veem como tigres”, mas tudo isto na base da construção de uma identidade frágil, sem uma organização narcísica sólida onde não há espaço para se assumir os naturais fracassos e impotências, antes, transformando estas nas arrogâncias prepotentes que tentam aniquilar o outro e o olham com, suposto, desdém, sob o aplauso constante e frágil dos acólitos da necessidade.

Ora Rendeiro, vítima dos tempos modernos e de um ego maior que a sua própria riqueza, aparenta encerrar em “si mesmo” as características dos criminosos de colarinho branco, onde o narcisismo, a crença na sua impunidade e a dificuldade em lidar com a frustração, ocupam um lugar central.

De resto, não terá conseguido resistir à vaidade bacoca de dar uma entrevista alimentando o seu ego, o seu sentimento de grandiosidade, de omnipotência, julgando-se acima de qualquer possibilidade de ser capturado, julgando vingar-se, ainda que simbolicamente, de Portugal e dos seus órgãos de soberania, buscando a satisfação imediata da vingança ao mesmo tempo que dava uma imagem de autoridade e liderança intocável.

A Polícia Judiciária agradeceu, assim como todos os Portugueses.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido