DestaqueCâmara Municipal de Paços e Ferreira obrigada à alteração de horários da...

Câmara Municipal de Paços e Ferreira obrigada à alteração de horários da Polícia Municipal por ordem do tribunal

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

Tendo em conta a situação pandémica nacional que Portugal está a atravessar, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira procurou estipular horários de trabalho à Polícia Municipal do concelho por forma a assegurar o cumprimento das regras estipuladas pelo Governo no decorrer da pandemia da Covid-19.

Face à situação atual, a Polícia Municipal, não entrando em acordo com a Câmara Municipal de Paços de Ferreira, alegou que “a resolução fundamentada emitida pela Entidade Requerida (Câmara Municipal de Paços de Ferreira) não se mostra fundamentada nem demonstra que a sua execução seja gravemente prejudicial para o interesse público”, avança.

Em contestação, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira explica que “a não manutenção da escala de serviço é suscetível de pôr em causa os serviços prestados pela Requerida e causar prejuízo ao interesse público, uma vez que a pandemia causada pela Covid-19 concedeu aos municípios um vasto leque de novos poderes-deveres de fiscalização e manutenção de segurança pública”, evidenciando ainda as funções exercidas por parte da Polícia Municipal no centro de vacinação que se encontra instalado no Parque de Feiras e Exposições da Associação Empresarial de Paços de Ferreira.

A Câmara Municipal de Paços de Ferreira, depôs que, face aos serviços e ao número de agentes, e com vista a acautelar o regular funcionamento do serviço, considerou que os agentes deverão assegurar o funcionamento dos serviços, “causando um grave prejuízo para o interesse público, uma vez que, a situação epidemiológica provocada pelo SARS-CoV-2 e da doença Covid-19, obriga a uma resposta célere às solicitações efetuadas por vários serviços, pelo que, a reorganização das escalas, nesta altura, traria graves prejuízos ao Município”, esclareceu.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel considerou que, as motivações da Câmara Municipal de Paços de Ferreira que “em considerações abstratas, vagas, mesmo hipotecadas, e em afirmações conclusivas sem factualidade concreta que permita extrair e inferir logicamente tais afirmações, inviabilizando, dessa forma, a sua impugnação e o adequado controlo jurisdicional”, acrescentando que se impunha à Câmara Municipal que indicasse os concretos serviços, e em que medidas ficariam suprimidos.

Foi determinado, assim que os atos de execução identificados pela autarquia de Paços de Ferreira se demonstraram “indevidos, devendo, consequentemente, ser declarados ineficazes”, concluiu.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel deliberou que “cabe à entidade requerida (Câmara Municipal de Paços de Ferreira) a responsabilidade pelo pagamento das custas, fixando-se o valor da taxa de justiça no mínimo legal”. Simultaneamente, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel avançou, ainda, a obrigatoriedade do Presidente da Câmara de Paços de Ferreira à alteração do horário da Polícia Municipal de Paços de Ferreira, o qual obteve o parecer responsável do Sindicato nacional dos Polícias Municipais.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -