-0.3 C
Munique
5.3 C
Porto
RegionalEx-presidente de lar de idosos em Matosinhos está acusado de 67 crimes...

Ex-presidente de lar de idosos em Matosinhos está acusado de 67 crimes de maus tratos a idosos

Dos 67 crimes, 17 deles são graves uma vez que resultaram na morte dos utentes. Os arguidos em causa, deixaram de adquirir os bens necessários para os idosos.

Relacionados

GNR e Polícia Municipal de Paredes fiscalizam autocarros e transportes escolares

A GNR e a Polícia Municipal de Paredes procederam a uma ação de fiscalização conjunta aos autocarros e transportes escolares, na Escola Secundária e...

Freguesias de Amarante terão um Balcão SNS24 para apoiar os Centros de Saúde

O Município em parceria com o ACES Baixo Tâmega prepara-se para instalar Balcões do SNS24 em Ansiães e Gondar, criando condições de maior proximidade...

GNR apreendeu 5 mil artigos pirotécnicos em Paredes

A GNR de Penafiel apreendeu, na passada quarta-feira, cerca de 5 mil artigos pirotécnicos e identificou um homem de 31 anos pela venda de...

O ex-presidente e um diretor de serviços da instituição “O Lar do Comércio”, situado em Matosinhos, estão acusados de 67 crimes de maus tratos a idosos, 17 desses crimes agravados por resultarem em morte.

A CMTV avança que a Procuradoria-Geral Distrital do Porto referiu que a “acusação refere que, entre janeiro de 2015 e fevereiro de 2020, os arguidos, no exercício das funções, violaram “as funções dos cargos que ocupavam e apesar de saberem que a instituição dispunha de meios económicos para o fazer, por razões de diminuição e contenção de gastos, deixaram de adquirir para os utentes do lar produtos de higiene e terapêuticos – como seja apósitos para escaras, colchões antiescaras, fraldas, suplementos proteicos -, contiveram gastos em recursos humanos – não contratando os médicos, funcionários e enfermeiros necessários para assegurarem o conforto e cuidados mínimos aos utentes -, assim como contiveram despesas na aquisição de equipamentos e de mobiliário”, avançou a procuradoria.

Os arguidos, de acordo com a Procuradoria-Geral Distrital do Porto, “atuaram com a consciência de que as suas condutas resultariam na falta de cuidados de saúde, na higiene na alimentação, na atenção, nos afetos, no entretenimento e socialização dos residentes acamados, determinando o agravamento do estado de saúde, provocando-lhes mazelas físicas e sofrimento físico e psíquico, atentando contra a dignidade da pessoa humana, como ocorreu em 50 dos utentes ali internados”, esclarece.

A procuradoria concluiu ainda que os arguidos atuaram com a consciência de que a omissão dos cuidados aos utentes poderia causar-lhes a morte, conformando-se com o resultado, resultando, dos maus tratos, 17 mortes dos utentes ali internados.

 

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido