8.7 C
Munique
16.9 C
Porto
NacionalInspetor da ASAE julgado por fiscalizar o próprio condomínio

Inspetor da ASAE julgado por fiscalizar o próprio condomínio

O inspetor da ASAE, Luís Araújo, está acusado de crime de prevaricação, abuso de poder e peculato.

Relacionados

PCP pede esclarecimentos à ARS Norte pela demissão dos responsáveis pela Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto

O Partido Comunista Português (PCP) avançou, ontem, uma proposta para realizar uma audição da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) relativa à...

Milhares de portugueses apoiam greve aos combustíveis nas redes sociais

Um grupo criado no Facebook há 48 horas, intitulado de “Greve aos combustíveis”, conta já com mais de 500 mil membros. Na descrição é...

Jovem pacense em Erasmus morreu na Polónia

Na Varsóvia, capital da Polónia, foi encontrado o corpo de uma jovem natural de Penamaior, freguesia de Paços de Ferreira, numa varanda de uma...

Um inspetor da ASAE irá responder, em tribunal, por crimes de prevaricação, abuso de poder e peculato após ter fiscalizado e constituído como arguidos os elementos da dita administração, bem como coproprietários. O motivo que o levou à fiscalização, foi o facto da administração da empresa ter colocado o inspetor da ASAE em tribunal por dívidas.

O caso ocorreu, de acordo com o JN, em novembro de 2016, no entanto, só agora é que este irá para tribunal. Na manhã de dia 21 do mês, o coordenador Domingos Gomes, da Unidade Operacional I, “distribuiu à brigada da qual fazia parte o inspetor Luís Manuel da Silva Araújo o serviço a ser realizado nesse dia e que consistia na fiscalização de quatro denúncias, referentes a operadores económicos na Maia, Vila nova de Gaia, Porto e Lousada”, avança o JN.

Conjuntamente com o colega no carro de serviço, Luís Araújo saiu da Unidade Operacional I da ASAE depois das 10h00 e regressou pelas 18h00. No relatório que este apresentou, fez referência apenas à fiscalização a realizar em Lousada, no entanto, a viatura que utilizou no dia apresentava a quilometragem a ultrapassar os 300 quilómetros.

O inspetor, após fiscalizar o serviço em Lousada, e sem o conhecimento do colega que o acompanhava, rumou à própria residência, situada em Matosinhos, administrado pela Varandas da Agudela, contra a qual não existiam queixas ou reclamações. O JN acrescenta que a ASAE não fiscaliza condomínios residenciais, somente se estivesse em causa um operador turístico, o que não é o caso.

Após chegar ao condomínio, o inspetor autointitulou-se de “supervisor da Unidade Operacional”, cargo inexistente, e pediu os documentos que quis, “antes de lavrar um auto de notícia imputando à administração do condomínio crimes de “desobediência”, “devassa da vida privada” e ainda de “não cumprimento de obrigações relativas a proteção de dados”, referiu o JN. No entanto, depois não remeteu o auto em causa ao Ministério Público, titular da ação penal, nem deu conhecimento da inspeção à própria hierarquia.

A ilegitimidade do processo foi descoberta quando os responsáveis pelo condomínio contactarem a ASAE, os quais apresentaram Luís Araújo como o responsável pela fiscalização, o mesmo que tinha dividas para com o condomínio.

O Ministério Público revelou que o inspetor procurou tirar “desforço pessoal” e “prejudicar a Administração do Condomínio Varandas e Agudela, designadamente constituindo elementos da administração como arguidos perante si próprio”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido