13.7 C
Munique
23.6 C
Porto
Entrevista“Olha que caiu a ponte e eu não sei dos nossos filhos”,...

“Olha que caiu a ponte e eu não sei dos nossos filhos”, foi a reação da esposa de Manuel após a tragédia da queda da ponte de Entre-os-Rios

Manuel Guimarães é pai de Paulo, uma das vítimas da tragédia. 20 anos depois, Manuel guarda todos os detalhes na memória. É capaz de nos contar como reagiu à situação e como descobriu onde estava o filho apesar deste se encontrar incontactável.

Relacionados

Inspeção das motas será obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2022

O Secretária de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, avançou ao Jornal de Negócios, esta segunda-feira, que “a partir de 1 de janeiro de 2022,...

Detido em Penafiel por agressão física e psicológica à esposa

A GNR do Penafiel deteve, na passada quinta-feira, um homem de 54 anos por violência doméstica no concelho de Penafiel. No decorrer de uma investigação...

Presidente da Iniciativa Liberal visitou ETAR de Paços de Ferreira após denúncias de habitantes

Hoje, a Iniciativa Liberal reuniu o candidato à Assembleia da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, João Carneiro, e o Presidente da Iniciativa Liberal,...

Após a tragédia da queda da ponte de Entre-os-Rios, na freguesia de Raiva, em Castelo de Paiva, os familiares das vítimas continuam com a memória fresca do acontecimento. Muitas pessoas acabaram por desenvolver problemas psicológicos após o acontecimento, no entanto, existe quem consegue, hoje, contar a sua história.

O EMISSOR entrevistou Manuel Guimarães, que prontamente nos contou como tudo aconteceu e, como hoje, lida com a situação e com a vida.

EMISSOR: Na tragédia Entre-os-Rios, quais foram os familiares que o Manuel perdeu?

Manuel Guimarães (MG): Foi um tio, uma tia, o meu filho e a namorada.

EMISSOR: Na altura, quando soube o que tinha acontecido, como é que reagiu?

MG: Foi um domingo, por acaso era um dia que estava a chover bastante e eu estava a descansar. Tinha-me deitado um bocado, como ao fim de semana trabalho bastante. Nisto a minha esposa, às 9h e tal da noite, disse “olha que caiu a ponte e eu não sei dos nossos filhos”.

O Fernando veio mais cedo, que é o meu mais velho. Veio mais cedo porque namorava do lado da capela, pertencente a Penafiel. Veio mais cedo porque se sentiu mal. Isto já é o destino.

Faltava a minha filha, o meu genro e o meu filho. A ponte caiu e não conseguia entrar em contacto com nenhum. “Queira Deus que eles não estejam envolvidos na tragédia”, disse a minha esposa e eu fiquei um bocado sarapantado e disse (para a mulher) “tem calma, não estejas a ferver em pouca água”.

Liguei para ele e ele não me atendia. Liguei para todos, não atendiam porque, entretanto, foi tudo cortado, as comunicações foram cortadas. Então fui a casa dele, que ele vivia aqui perto de nós, e eles (filho e a nora) não estavam. Tinham as janelas abertas e, com o tempo de chuva, eu disse “Alto! Aqui aconteceu alguma coisa”.

Mas como ela à segunda-feira de manhã ia para o Porto eu pensei, como estava o tempo mau, que às tantas foi levá-la ao Porto e até ficariam por lá. Mas não deixariam as janelas abertas.

Vim a casa e disse à esposa “olha que as janelas estavam abertas, alguma coisa se passará, eu vou lá baixo a Raiva num instante”, que era a terra da rapariga, a minha nora. Fui lá abaixo, chamei pelos pais, veio uma irmã, a Célia, e eu perguntei “a tua irmã não esteve cá?” e ela respondeu “ela de tarde foi com o Paulo ao Porto, de resto não os vi mais”.

Direitos Reservados

Eu disse “não sei se sabes, caiu a ponte, a ponte Entre-os-Rios. Queira Deus que eles não estejam na tragédia”. (A Célia) contactou logo para a patroa da minha nora, para ver se ela estava lá, não estava, e não tinha estado lá durante o fim de semana, contavam com ela só na segunda-feira. Nós contamos-lhe que a ponte tinha caído, a patroa dela disse que já tinha visto na comunicação social, e eu adiantei-me logo “cuidado que ela é capaz de estar na tragédia”. No entanto, fui a mais um lugar que pertence a Raiva, que é Oliveira do Arda, onde temos o centro de acolhimento, e disseram-me logo que caiu um autocarro com 59 vítimas e houve um carro que também caiu na tragédia. E eu contei a situação e disse “queria Deus que o meu filho…”, porque não consigo entrar em contacto com ele.

A minha filha, entretanto, ligou, mas foi por fixo, conseguiu ligar para nós, já não sossegou mais e contamos-lhe sobre o Paulo (filho). E ela disse que já tinha tentado ligar para ele e que não tinha conseguido.

Cheguei a casa já de manhã e disse para a minha esposa “deixa ver, porque ele trabalhava aqui numa empresa, deixa ver se às vezes ele chega para trabalhar”. De manhã chegou a carrinha que o vinha buscar, tocou e seguiu.

Liguei para o patrão e ele disse “ele está a trabalhar” e eu disse “não está nada a trabalhar” e ele “não pense nisso, tenha calma” e eu disse que estava convencido. O patrão dele disse que iria ligar para a obra onde ele andava e, ao fim de um tempo, ligou-me e disse que “afinal não estava lá”.

Foi aí que confirmamos. Mas a minha esposa sempre disse que ele estaria lá (na tragédia), a intuição dela é que ele estaria lá.

Naqueles primeiros dias nem cheguei a ir lá abaixo (à ponte), fechei-me em casa, não é fácil. Depois, passados uns dias, fui lá abaixo e fui ter com o comandante Ezequiel e disse “ó senhor comandante então como é que é… não se trabalha”, porque na altura houve um problema numa discoteca. Eles foram para a discoteca e beberam para lá uns canecos, a malta começou a discutir toda, a dizer que “eles em vez de estar preocupados com as vítimas, nada…” que era “um ganho para eles”.

A retirada do autocarro também foi algo que não gostei, porque deviam ter retirado logo e não, foi quase como “sacudir os cadáveres” e mais uma vez foi submerso, porque veio bastante chuva e o autocarro ficou submerso. Passado outro dia já o elevador do autocarro apareceu na lomba, até havia quem dissesse que estava lá o condutor do autocarro, não sei, o que eu sei, é que ele nunca mais apareceu.

O comandante Ezequiel na altura disse “Não se preocupe, eu vou tirar primeiro o seu filho” e eu disse “ó senhor comandante, se vai tirar primeiro o meu filho, é sinal que o senhor sabe onde é que ele está”. E ele disse “não sei, não sei, mas ele vai ser o primeiro carro a sair”, e foi.

Passado um mês saiu o primeiro carro, que foi com o meu filho. O primeiro carro a ser retirado foi um passat, e ele até vinha com uma perna de fora, mas não me deixaram ver, eu não cheguei a ver o meu filho, não me deixaram.

Direitos Reservados

EMISSOR: O Manuel considera que, com o passar dos anos, e tendo em conta que encontraram o corpo do se filho, para si foi de alguma forma mais fácil a concretização do luto?

MG: Sem dúvida que foi mais fácil. Eu tenho conversado com pessoas, tenho uma colega minha que é a Eliana que é irmã do condutor do autocarro, do Hélder, e ela, eu cheguei a encontrá-la a falar ao telemóvel com o próprio irmão. Isto há dois ou três anos. Eu disse “ó Eliana tu tens que ter calma, esquece, tu não andas em condições. É melhor ires a um psicólogo, porque tens que ter uma consulta a sério”. E ainda agora está a ser seguida, está de baixa, a fazer tratamento psicológico no Hospital de Penafiel.

EMISSOR: Considera que ultrapassou ou aprendeu a viver com esta situação?

MG: Ultrapassar não, porque nunca se esquece. Aprendi a “viver com”, a vida é assim, o ciclo da vida funciona assim, não devia de ser, mas quem somos nós para virar isto ao contrário… Deus é que sabe, Deus é quem dá o destino às pessoas, eu penso assim, que nós temos um limite de prazo para andar aqui e Deus é que sabe. Temos que nos convencer que é o ciclo da vida.

Direitos Reservados

EMISSOR: Tendo em conta que se fez o monumento, considera que partilha algum sentimento com os demais familiares que lá vão?

MG: Sem dúvida que aquilo faz parte de uma concentração. Juntamo-nos ali e partilhámos a dor uns com os outros.

EMISSOR: Isso ajudou-o de alguma forma?

MG: Acaba por ajudar porque houve vítimas. Na altura 36 vítimas que não apareceram. Mas é complicado. Temos que ajudar a suportar a dor uns dos outros. Uns de uma maneira outros de outra, mas tentar acalmar os ânimos.

EMISSOR: O Manuel está a ser acompanhado de alguma forma psicológica após a tragédia ter acontecido?

MG: Andei, mas neste momento estou apenas a tomar a medicação certinha e não tenho andado em consultas. O médico achou que a medicação está a fazer efeito e todos os dias tomo aquela medicação certa. Tomo à noite, para dormir, porque tive noites e noites em claro, não foi fácil e agora, ultimamente, até tenho dormido muito bem.

Da direita para a esquerda: filho e nora de Manuel, Manuel e a esposa – Direitos Reservados

EMISSOR: No passado dia 4 de março quando fizeram 20 anos desde a tragédia, foi visitar o local?

MG: Fui, eu até fui o primeiro a lançar a primeira flor, eu e a minha esposa. Lançamos uma cada um, por volta das 11h da manhã.

EMISSOR: O que é que sentiu nesse dia?

MG: É um dia que me relembra mais as coisas. Mas acaba por aliviar, porque fizemos um centro de acolhimento. O meu falecido filho era um defensor dos catraios mais pequeninos, então trazia-os para casa, preparava-lhe o leite, fazia doces amassados à mão, autêntico. Na altura eu trabalhava nas minas de Pejão, trabalhei lá 22 anos e a minha esposa dizia-lhe “ó Paulo, tu numa semana deste cabo de uma embalagem de leite, às vezes nem chega par uma semana, porque o teu pai anda a trabalhar debaixo do chão” e ele “ó mãe deixe lá, os meninos têm fome e querem comer”. Ele sentia-se bem a ajudar. Sentia-se bem dessa forma. Eu na altura pensei nisso, eu e os meus colegas, e lançamo-nos nesse projeto e está a trabalhar. Mas foi nesse âmbito.

A Casa de Acolhimento nasceu há 9 anos, é um lugar que acolhe crianças e jovens em situação de risco, bem como promove o desenvolvimento social das populações vulneráveis à pobreza e à exclusão social. Hoje, é um lugar que serve, também, para que os familiares das vítimas sintam que podem colaborar. Um lugar criado para ajudar o próximo.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido