19.3 C
Munique
18.6 C
Porto
RegionalQuebras no setor têxtil e vestuário levam CIM do Tâmega e Sousa...

Quebras no setor têxtil e vestuário levam CIM do Tâmega e Sousa a reivindicar apoios para o setor

A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa refere ter pedido ao Governo um reforço das atuais medidas de apoio ao emprego e à economia para a indústria têxtil e vestuário. O objetivo é evitar o crescimento acelerado do encerramento de empresas e o desemprego.

Relacionados

Conheça os candidatos do Partido Socialista à Câmara Municipal de Paredes

O Partido Socialista de Paredes apresentou a recandidatura de Alexandre Almeida à Câmara Municipal. O recandidato à Câmara Municipal de Paredes tem 47 anos e...

Vereador da Trofa ilibado e ex-líder do Trofense condenado por desviar subsídio

O tribunal de Matosinhos condenou, hoje, o antigo presidente do Trofense, Paulo Melro, por desviar para o futebol profissional subsídios camarários atribuídos ao desporto...

Meia maratona do Porto condiciona o trânsito a partir de sexta-feira

A 14ª meia maratona do Porto irá provocar, a partir de sexta-feira e, até domingo, o trânsito permanecerá condicionado, bem como o estacionamento, em...

A CIM do Tâmega e sousa reivindica ao Ministro do Estado, da Economia e da Transição Digital, bem como à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social a possibilidade de acesso das empresas ao regime de “layoff simplificado”, de forma a possibilitar a suspensão parcial e temporária dos encargos para as empresas no “apoio extraordinário à retoma progressiva”, assim como no “apoio excecional à família”, importantes para a sobrevivência das empresas e equilibro económico na região.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE) o Tâmega e Sousa foi particularmente atingido pelo impacto “económico causado pela pandemia de Covid-19”, refere a CIM em nota, acrescentando que “em 2020, as exportações de têxteis e vestuário registaram uma quebra de quase 30%, sendo que a subcategoria de vestuário de tecido apresenta o valor ainda mais alto, com uma redução de mais de 40%”.

As quebras apresentam um reflexo na estrutura empresarial do setor, sendo que o Tâmega e Sousa emprega “quase 19 mil pessoas, 17 mil das quais na produção de vestuário. Ou seja, 32% do total de trabalhadores da indústria transformadora desta região está ao serviço deste setor”, refere nota.

Nos contactos que se têm mantido com os representantes das associações setoriais, tais como a Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção, assim como a Associação Têxtil e Vestuário em Portugal, a CIM do Tâmega e Sousa percebeu que, nos próximos meses “não existem perspetivas de retoma nos principais mercados europeus – que representam 75% das exportações de têxteis e vestuário do Tâmega e Sousa – receando, por isso, pelos efeitos devastadores que esta realidade possa ter nas empresas e no emprego na região”.

Assim, de acordo com estes dados, o setor do têxtil e vestuário tem uma grande importância ao nível nacional para a produção de riqueza e empregabilidade, sendo que, qualquer problema de “saúde” irá refletir-se no “equilíbrio económico e social dos municípios que integram a CIM do Tâmega e Sousa”, aufere nota, acrescentando ser “fundamental que o Governo reforce os apoios a estas empresas”.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido