DestaqueSetor do Mobiliário sente ausência de 5 mil trabalhadores

Setor do Mobiliário sente ausência de 5 mil trabalhadores

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

A indústria portuguesa tem vindo a rejeitar encomendas diariamente devido à ausência de trabalhadores, o que está a causar uma crise de mão-de-obra entre as empresas.

O Jornal de Negócios avança que, entre os fabricantes que assumem a necessidade de trabalhadores, encontra-se o grupo “Laskasas”, com três fábricas em Paredes, a qual emprega 435 pessoas e fechou o último exercício com vendas de 24 milhões de euros.

O dono do grupo refere ao jornal estar a precisar de mais “40 pessoas, entre marceneiros, estofadores, maquinistas e serralheiros, mas não encontro, o que faz com que esteja a rejeitar encomendas e a prolongar os prazos pra a entrega de outras”.

António Silva, administrador da empresa JMS, assegurou que a empresa tem vindo a colocar anúncios, mas não tem havido aderência, encontrando-se também a rejeitar encomendas. Neste momento, a empresa conta com a falta de oito trabalhadores.

O diretor executivo da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), Gualter Morgado, afirmou que o cenário de crise “está a ser dramático” e que a fileira concentra cerca de metade da sua produção em Paredes e Paços de Ferreira.

De acordo com estimativas avançadas ao Jornal de Negócios, o diretor da APIMA avança que o setor poderia “aumentar o seu efetivo em cerca de cinco mil trabalhadores”, adiantando ainda que esta indústria “exporta 90%, aproximando-se do nível de exportações pré-crise provocada pelas medidas de gestão da pandemia”.

Durante os primeiros oito meses do ano, o setor gerou quase 1,2 mil milhões de euros nos mercados externos, menos 3% do que no mesmo período em 2019. Morgado prevê que a indústria chegará ao fim de 2021 “mais ou menos em linha com o recorde de 1,9 mil milhões atingido em 2019”, conclui o Jornal de Negócios.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -