24.6 C
Munique
27.9 C
Porto
DestaqueSindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de...

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Relacionados

Paulo Bettencourt recordado em Paços de Ferreira

O local de trabalho que o viu crescer como profissional, serviu de sustento para homenagear o Arq. Paulo Bettencourt no seu 65º aniversário de...

Simão Rocha, Campeão Nacional de Natação Adaptada

Em Abrantes, no dia 2 e 3 de julho decorreu o Campeonato Nacional de Natação Adaptada que contou com a presença de 140 atletas...

Paços de Ferreira – Artigos contrafeitos apreendidos

No dia 1 de julho foi constituída arguida uma mulher de 43 anos e apreendidos vários artigos contrafeitos, no concelho de Paços de Ferreira...

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no concelho de Paredes. Quem avança esta informação é o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB) numa nota de imprensa.

Para realização da prova, as trabalhadoras entraram em contacto com a GNR de Paredes que, de acordo com o SINTAB, evidenciou a situação como não constituinte de crime público, não podendo fazer nada face à situação, sugerindo às trabalhadoras que contactassem a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

O SINTAB referencia a posição da GNR como “obscena e completamente enviesada” salientando que o organismo público das forças de segurança do país deveria “zelar pelo cumprimento da legalidade”, demitindo-se de o fazer perante a situação em causa.

Tendo em conta que as trabalhadoras se apresentaram para trabalhar e foram impedidas de o fazer, colocou-se em causa o acesso ao trabalho, um direito fundamental dos cidadãos garantido pela Constituição da República Portuguesa, devendo de se contactar as autoridades locais para que estas façam o levantamento do auto de ocorrência, o qual deverá servir, posteriormente, como prova na denúncia à ACT, bem como nos tribunais.

A recusa, por parte da GNR de Paredes, levou o SINTAB à realização de uma denúncia do comportamento de demissão dos princípios fundadores da força de segurança.

O impedimento de acesso ao trabalho a quatro trabalhadoras da Varandas de Sousa, em Madalena, Paredes, é uma situação que se vem a “arrastar desde o início do mês de outubro quando a empresa decidiu, arbitrariamente, alterar os horários de trabalho a sete trabalhadoras, obrigando-as, às quintas e sextas-feiras, a fazer um horário diferente dos restantes dias, pegando e largando mais tarde, o que provoca, junto das trabalhadoras envolvidas, uma alteração de quotidiano que lhes provoca dano sério na capacidade de conciliação da atividade profissional com a vida familiar”, evidencia o SINTAB.

O sindicato entrou em contacto com a empresa e alertou para as irregularidades que estavam a ser praticadas, as quais acarretavam a falta de cumprimento com as obrigações legais de informação e consulta, quer às trabalhadoras, quer aos representantes, bem como a grosseira ilegalidade de alteração do turno de trabalho a meio da semana sem separação e interrupção por dia de descanso obrigatório.

Face ao contacto do SINTAB, a empresa manteve-se irredutível e alegou que a situação era provisória por “falta de produto para colheita”, com necessidade de “desviar” as trabalhadoras para o “serviço de laminagem que, alegadamente, teria de se adaptar às características do processo de expedição”, referenciou, em nota, o SINTAB.

A situação, de acordo com o sindicato, nunca se confirmou, e as trabalhadoras foram mantidas, invariavelmente, no serviço de colheita de cogumelos realizando o mesmo trabalho de sempre, com o agravo da alteração do horário às quintas e sextas-feiras. Entre as sete trabalhadoras inicialmente envolvidas, o SINTAB evidencia restarem “apenas cinco, sindicalizadas, tendo as não sindicalizadas, visto serem atendidos os pedidos de reposição do horário anterior”. As cinco trabalhadoras decidiram dar cumprimento com o horário que fizeram, desde a abertura da unidade da empresa, em Paredes.

Apesar dos esforços do SINTAB na procura pela resolução da situação de forma célere, quer por ofícios à empresa, quer por pedidos de intervenção inspetiva enviados à ACT de Penafiel, as trabalhadoras vêem-se obrigadas a “penar debaixo da injustiça de decisões arbitrárias da empresa, por culpa da inércia das autoridades que as deviam defender, de que é exemplo a atitude agora denunciada da GNR de Paredes”, esclarece a SINTAB.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido