CulturaThe Unquiet: “Criar novas músicas, escrever sobre aquilo que mexe connosco” refere...

The Unquiet: “Criar novas músicas, escrever sobre aquilo que mexe connosco” refere Filipe Costa, membro da banda de rock

Relacionados

Paredes: Homem morre após despiste de mota

Um homem, de 29 anos, morreu, no último sábado, dia 20 de julho, na sequência de um acidente na Rua da Ferrugenta em Lordelo,...

Paredes: Idosa morre após despiste de carro

Uma idosa, de 81 anos, morreu, na manhã do passado dia 17 de julho, quando o carro que conduzia se despistou e embateu contra...

Lousada: Homem é detido para cumprimento de pena de prisão efetiva

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada relatou através de um comunicado que deteve, no passado dia 9 de julho,...

EMISSOR: Como surgiu o vosso gosto para tocar enquanto banda?

Filipe Costa: No meu caso foi quando tinha uns 16 anos e entrei numa banda com amigos como vocalista. Foi uma ótima experiência, divertia-me imenso e aprendi mesmo muito com eles, Não tínhamos sequer baixista mas o gosto que tínhamos pela música era tanto que nem nos importávamos na altura. Tocávamos, principalmente, músicas dos Foo Fighters.

Nuno Carvalho: Após ter estudado (e continuar a estudar) música durante vários anos e trabalhar como roadie para outras bandas, em espetáculos de diferentes áreas, decidi começar totalmente do “Zero” um projecto novo. 

EMISSOR: O vosso percurso na área da música acabou por vos juntar. De que forma é que isso aconteceu?

Filipe Costa: Eu e o Nuno tivemos aulas no Rec ‘N’ Roll Studios, em Valadares (Vila Nova de Gaia) com o Paulo Barros e o Jorge Marques (Integrantes da banda Tarantula) e conhecêmo-nos nesse espaço. O Nuno precisava de um vocalista para começar o projeto e assim foi.

Nuno Carvalho: Tal como o Filipe referiu, após ter tido várias experiências com outras bandas de outros estilos, decidi começar este projeto do zero, e nos Rec ‘N’ Roll Studios conheci o Filipe que estava a ter aulas de canto, e foi um processo bastante natural a partir desse momento.

Charles Brook: Estarei sempre grato ao Nuno por me ter convidado para fazer parte dos The Unquiet. Já nos conhecemos há alguns anos e temos a mesma visão sobre música e acima de tudo a mesma ética de trabalho, por isso quando o Nuno convidou-me nem hesitei em dizer que sim. Tem sido muito bom trabalhar com o Nuno, o Filipe e o Roger e tenho a certeza que  vai continuar a ser assim durante muito tempo.

Fonte: The Unquiet – Direitos Reservados

EMISSOR: Estavam todos, de forma individual, prontos para fazer parte de um grupo?


Filipe Costa
: Confesso que, na altura, estive um pouco reticente em aceitar e ainda pensei duas vezes porque tinha tido algumas experiências menos boas e também estava a planear algumas coisas a solo. Em todo o caso, uma coisa não impedia a outra e acabei por decidir arriscar. O Nuno é uma pessoal impecável, assim como todos na banda.

Nuno Carvalho: Decidimos fazer algo diferente e começar este projeto enquanto um Duo, que é algo diferente para o estilo que praticamos, decidimos gravar então o primeiro single “Against the World” nos Rec ‘N’ Roll Studios com o produtor Luis Barros (Tarantula).

Ainda antes da gravação do VideoClip, recrutamos o Charles Brook para o baixo que é alguém que conheci no meio musical e desde logo se identificou com o projeto, e o Roger Campos para a bateria que é um multi-instrumentista com quem eu já tinha tocado em projetos anteriores.

EMISSOR: Preferem cantar a solo ou em grupo?
Filipe Costa:
 É difícil escolher… eu adoro cantar nesses dois contextos, a solo tenho mais liberdade para cantar aquilo que pretendo e da forma que pretendo. mas, em banda, tem toda uma outra magia e energia. Provavelmente, escolheria em banda.

Nuno Carvalho: Para mim o contexto de banda é sem duvida mais apelativo pela intensidade associada.

EMISSOR: Qual o significado que a música tem para vocês?

Filipe Costa: Signfica vida. Podermo-nos expressar através dela é, realmente, algo que não tem preço.

Nuno Carvalho: Poder tocar o interior das pessoas com a nossa música, é algo mágico.

EMISSOR: Qual é o estilo de música dos The Unquiet?

Filipe Costa: Ainda que estejamos à procura de um certo estilo por isto ser algo recente, penso que nos encaixamos num Rock moderno e alternativo. 

EMISSOR: O que é que vos motiva a continuar na área da música?

Filipe Costa: Gostamos demasiado disto. A nossa paixão por ela é imensa e acreditarmos que algo melhor está para vir.

Fonte: The Unquiet – Direitos Reservados

EMISSOR: O que é que vos inspira a criar novas músicas?

Filipe Costa: No que diz respeito a mim, tenho vários artistas que me inspiram imenso como Dave Grohl, Danny Worsnop e o Kurt Cobain. Mais recentemente, tem sido o Stromae que, apesar de não estar ligado ao rock, aprecio-o mesmo muito como artista e acho que não há ninguém como ele. Depois, costumo cantar e escrever sobre aquilo que sinto, sobre as experiências vivenciadas e, mais recentemente, estou a tentar focar-me não só sobre o que se passa ao meu redor mas também no mundo. Há ainda muito para refletir.

Nuno Carvalho: Eu uso as vivências que vou tendo para me inspirar, tentando observar arte em tudo o que me rodeia, e transmitir através da guitarra aquilo que sinto.

EMISSOR: Quais os planos que os The Unquiet têm para o futuro?

Filipe Costa: Continuar a criar novas músicas, escrever sobre aquilo que mexe connosco e claro, se possível, poder partilhar as sonoridades em palco. Também temos algum merchandise planeado, veremos como irão correr as coisas.

EMISSOR: Que conselho gostariam de deixar àqueles que procuram seguir a mesma área profissional?

Filipe Costa: Por muito cliché que isto possa parecer, não deixem de acreditar em vocês próprios e no poder que vocês têm de mudar o mundo através da arte. Arrisquem, trabalhem para isso, nem que seja só um bocado todos os dias e façam-se mostrar… o mundo pode surpreender-vos. 

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -