RegionalTribunal da Relação do Porto absolve homem acusado de maus tratos aos...

Tribunal da Relação do Porto absolve homem acusado de maus tratos aos avós

Relacionados

Santo Tirso: Motociclista morre após despiste na Serra da Agrela

Um homem de 33 anos morreu, no passado domingo, dia 19 de maio, na serra da Agrela, em Santo Tirso, após ter sofrido um...

Freamunde: viagens escolares levantam suspeitas

Comportamentos de auxiliar aos alunos de Freamunde nas viagens escolares levanta suspeitas Os encarregados de educação de alunos do Centro Escolar de Freamunde estão a...

Paredes: Homem com antecedentes é detido por violência doméstica

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas de Penafiel deteve, no passado dia 10 de maio,...

O Tribunal da Relação do Porto validou a absolvição de um homem de Santo Tirso acusado de violência doméstica sobre os avós, mesmo tendo sido dado com provado que este injuriou e agrediu um deles, avança o JN.

Em causa estão os maus-tratos a um casal de 76 e 78 anos de idade, realizados por parte do neto, na habitação em comum, entre junho de 2017 e setembro de 2020. No decorrer do julgamento, ficou provado que o arguido insultou “mais do que uma vez” os ofendidos, tendo empurrado o avô contra um móvel, causando-lhe traumatismos que obrigaram a tratamento hospitalar.

O arguido, dependente alcoólico, já tivera sido condenado pelo mesmo motivo, no entanto, desta vez, “foi absolvido da nova acusação pelo mesmo crime por um coletivo de juízes de Matosinhos, o eu levou o Ministério Público a avançar com um recurso”, avança o JN.

O Tribunal da Relação, manteve a absolvição decidida em primeira instância, defendendo o facto de não ser possível “fazer equiparar o conceito de pessoa idosa ao de pessoa particularmente indefesa (…) como pretende o recorrente”, Ministério Público.

As circunstâncias em que se encontram as vítimas das agressões serem pessoas de idade, de acordo com o tribunal, só poderia ter relevo “para a determinação da medida concreta da pena, face aos tipos de crime que as condutas agressoras pudessem ter preenchido”.

No caso em concreto, não se trata do crime de violência doméstica, mas de “injúria (…) e de ofensa à integridade física simples, crimes estes cuja natureza particular e semipública impediu, com base neles, a continuarão do procedimento criminal contra o arguido, nos termos e fundamentos constantes do acórdão recorrido, cuja decisão se nos afigura correta”, complementa o Tribunal da Relação.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -