DestaqueA Distrital do PSD/Porto acusa José Luís Carneiro de não ter coragem...

A Distrital do PSD/Porto acusa José Luís Carneiro de não ter coragem para tomar medidas de segurança para o Distrito do Porto

Relacionados

Paredes: Dois homens com antecedentes detidos por roubo

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal de Penafiel deteve, no passado dia 12 de junho, dois homens de 28...

Santo Tirso: Câmara Municipal alvo de buscas pela PJ

A Polícia Judiciária do Porto realizou, na passada quarta-feira, dia 12 de junho, buscas na Câmara Municipal de Santo Tirso e em três empresas...

AD e PS dividem vitórias nos Concelhos da Região do Tâmega e Sousa

A população europeia, foi, no passado dia 09 de junho, chamada a votar para eleger os assentos no Parlamento Europeu. Na região do Tâmega...

No debate sobre os “Desafios da Segurança Interna para o Distrito do Porto” promovido pela Distrital do PSD do Porto, onde participaram elementos dos sindicatos da PSP e GNR, e ainda o presidente do Observatório da Segurança interna, Hugo Costeira, e o Vice-presidente da Nacional do PSD, Paulo Cunha, no Auditório Infante D. Henrique, APDL, em Leça da Palmeira, as conclusões apontaram que existe uma elevada ineficácia na área da segurança interna, tanto a nível nacional, como no Distrito do Porto, em particular.

Para o presidente da distrital do PSD do Porto, Sérgio Humberto o Distrito do Porto, em particular, e o país, na generalidade assiste ao desmantelamento das forças da segurança e acusou o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, de não ter poder político, nem coragem para tomar medidas nesta área.

“O ministro [da Administração Interna, José Luís Carneiro não faz nada, não tem poder político, não tem poder de persuasão, não tem poder de influência, mas, sobretudo, não tem coragem para tomar medidas”, garante Sérgio Humberto.

Este dirigente social-democrata denunciou ainda a falta de medidas por parte do Governo para pôr fim ao que considerou um “desmantelamento” das forças de segurança, nomeadamente, da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR).

IMG_6149-scaled-e1681756003675
Direitos Reservados

Temos menos pessoas e as pessoas que temos ou estão a fazer serviços administrativos ou estão de baixa por questões de saúde mental. Não existe um apoio efetivo daquilo que é o Estado central às forças de segurança” disse Sérgio Humberto, referindo ainda que se assiste também a um aumento da perceção de insegurança no Distrito do Porto e em todo o país.

Na sua opinião para o Governo, e isto tem persistido ao longo dos tempos, a segurança não é determinante “Eles estão a assobiar para o lado neste tema, não querem saber. Isto é uma infelicidade para Portugal“, acrescentou o presidente da distrital do PSD/Porto, denunciando também a falta de condições e de equipamentos com que as forças policiais se deparam no dia-a-dia.

Para Sérgio Humberto, urge por isso recompensar os agentes de segurança pública, tanto a nível remuneratório, como do “ponto de vista de condições” de trabalho.

Deste debate, segundo o presidente da distrital do PSD/Porto resultarão projetos de resolução que serão, posteriormente, apresentados à Assembleia da República pelos deputados do PSD eleitos pelo círculo do Porto.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -