DestaqueComunicado - PSD Paços de Ferreira

Comunicado – PSD Paços de Ferreira

Relacionados

Santo Tirso: Homem morre na A3 num acidente enquanto fugia em contramão

Um homem, de 33 anos, suspeito de um roubo em Braga, morreu na madrugada da passada segunda-feira, na sequência de um acidente, em Santo...

Felgueiras: Jovem morre após despiste de mota

Um jovem de 24 anos morreu na sequência de um acidente de viação, na passada quarta-feira, dia 21 de fevereiro, na Lixa, concelho de...

Valongo: Homem morre após despiste contra paragem de autocarro

Um homem, de 48 anos, morreu, na noite do passado domingo, 18 de fevereiro, num acidente de viação na freguesia de Sobrado, em Valongo. O...

– COMUNICADO –

“DECLARAÇÃO DE VOTO – RELATÓRIO E CONTAS DE 2022

Exmo. Senhor Presidente,

A votação do relatório de atividades e contas de uma autarquia é um evento político que merece uma análise cuidadosa e reflexiva. Autarquias são órgãos da administração pública local, que têm autonomia administrativa, financeira e patrimonial e são responsáveis por executar políticas públicas no seu território.

A discussão e votação do relatório de atividades e contas de uma autarquia é um momento importante de transparência e prestação de contas à sociedade. É uma oportunidade para que os governantes apresentem de forma detalhada as ações desenvolvidas, os recursos utilizados e os resultados alcançados ao longo do último ano. A votação, por sua vez, é um momento em que os membros da Câmara Municipal e Assembleia Municipal expressam sua aprovação ou reprovação em relação ao relatório apresentado, tendo em conta a gestão e as ações desenvolvidas, o emprego dos recursos financeiros, em contraponto com os serviços prestados aos cidadãos. Avaliando ainda transparência e legalidade das informações escritas e a prestação de contas.

Assim, importa referir que não estamos apenas a votar as contas e sua prestação, mas tambem as atividades e opções percorridas pela maioria socialista no último ano.

Passados 10 anos de governação socialista, o que registamos é uma falta de investimento, problemas estruturais adiados, incapacidade para reformar e modernizar o concelho.

Infelizmente, vamos percebendo que realidade que o concelho vive é muito diferente da transmitida pelo Sr. Presidente no relatório, assim como muito distante das promessas anunciadas ao longo desta última década.

Senão, vejamos;

Ao nível social: já no manifesto de 2013, foi anunciada a promessa de um “Lar para acolhimento de idosos e grandes dependentes”; “Espaço para acolhimento de pessoas portadoras de deficiência e doentes mentais crónicos”; “Recuperação de habitação das famílias com baixos recursos financeiros, propondo atribuição de apoios para a construção própria de habitação social”;

Na saúde: “Garantia por parte do município de acesso aos cuidados primários, através de medico de família”; “Criação de duas novas unidades de saúde familiar”; “Transporte gratuito para os doentes aos centros hospitalares”; “Serviço noturno de urgência”;

Na educação: “Requalificação das escolas do 2ºciclo nos diversos agrupamentos”; “Construção da academia profissional”;

Emprego e economia: “Garantir o acesso universal e gratuito de internet”; “Construção de centro tecnológico”; “Admissão de 100 estagiários profissionais remunerados na Câmara Municipal de Paços de Ferreira”; “Linha de crédito para apoio económico a desempregados”; “Introdução de TIC na gestão agrícola, apoio para jovens agricultores”;

Ambiente: “Requalificação da Etar de Arreigada”; “requalificação das zonas ribeirinhas”; “Criação de novos parques e novas zonas de lazer”; “Compromisso de construir o canil municipal”;

No Desporto: “Criação de novas instalações desportivas”; “Desenvolvimento de escolas desportivas de ténis e golfe”;

Na Cultura: “Construção da casa das artes na cidade de Freamunde”; “Valorização da Citânia de Sanfins”; “Criação de galerias permanentes”;

Juventude: “Criaremos Oficinas de Formação”; “Criação do portal jovem municipal”.

Estes são alguns dos exemplos das promessas adiadas!

Paços de Ferreira encontra no setor empresarial a resposta económica e social para a sua população, em especial na produção industrial.  Ao longo de décadas, a dinâmica dos nossos empresários foi capaz de ultrapassar muitas das dificuldades que enfrentaram. Hoje, o atraso na revisão do PDM e a criação de novas zonas indústrias, modernas, ambientalmente sustentáveis, com bons acessos de mobilidade, são um verdadeiro obstáculo ao desenvolvimento e captação de novas empresas e empresários, ficando arredados e em desvantagem com os concelhos mais industrializados. Prejudica a valorização do trabalho especializado e de valor acrescentado, assim como a disponibilidade de empresas de caris tecnológico para apoio ao nosso tecido empresarial.

Ao mesmo tempo, os polos tecnológicos e universitários vão proliferando pela região e Paços de Ferreira continua sem capacidade para atrair estas instituições que aportam conhecimento e capacitação aos jovens e às empresas, como é o exemplo do curso de Tecnologia e Design de Mobiliário lecionado no Politécnico de Viseu.

Mais uma vez, o relatório e as ações desenvolvidas pela maioria são espelho da falta de visão estratégica para o concelho, onde não vê no empreendedorismo jovem uma oportunidade para potenciar o desenvolvimento tecnológico, sendo este de grande importância nos dias de hoje, pois representa as novas gerações de empreendedores que estão a promover a inovação, transformando indústrias e garantindo o progresso económico e social.

Infelizmente, e mais uma vez, lamentamos o facto de não existir uma única palavra neste relatório ou qualquer referência à nossa marca “Capital do Movel”. O concelho e a Capital do Movel estão cada vez menos conhecidos no país e nas novas gerações, mais um ano perdido!

Sendo a habitação um elemento fundamental em qualquer concelho ou país, desempenha um papel crucial na qualidade de vida e no desenvolvimento sustentável de uma comunidade. O ano passado junta-se aos últimos noves anos sem qualquer requalificação ou construção efetiva. Trata-se de um registo negativo e temos esperança de que o PRR seja utilizado para que de uma vez por todas estas situações possam ser corrigidas.

A falta de aposta na cultura está uma vez mais refletida neste relatório, onde a Citânia de Sanfins e a Rota do Românico estão ausentes. Esquecendo estes pilares da nossa identidade, mais um ano perdido em que o nosso concelho não se afirma com qualquer marco ou referência cultural a nível regional ou nacional.

Conscientes dos constrangimentos e dificuldades que as obras provocam, estas careciam de um melhor planeamento e informação a população. A forma como têm sido geridas as intervenções atuais no espaço urbano da cidade de Paços de Ferreira, tem prejudicado o comércio local.

A anunciada saída do FAM, volvido mais um ano, ainda não se concretizou. Mas verdade é que na altura do seu anúncio, já era do conhecimento do executivo socialista que o Municipio ainda reunia as condições para essa saída.

Ao nível da redução da dívida, continua a registar-se na mesma ordem de grandeza do aumento da receita. Esta, está assente no aumento da cobrança de impostos indiretos, taxas e multas, bem como o aumento das transferências da Administração central.

Um relatório que continua a revelar a incapacidade para resolver o processo de concessão de água e saneamento, onde a maioria socialista hesita sobre o caminho a seguir, estando pela primeira vez condenada nas vias judiciais. Demonstrativo disso são as novas negociações em curso. O que neste caso, vem reforçar claramente a posição que o PSD tem vindo a manifestar, desde a primeira hora, apontando a via negocial como caminho a seguir.

Por estes motivos, e pela posição dos vereadores aquando da votação do plano de atividades e orçamento para 2022, os Vereadores do PSD votam contra o documento em apreciação.

Paços de Ferreira, 17 de abril de 2023″

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -