9.9 C
Munique
15.8 C
Porto
DesportoO vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

O vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

O caso remonta a 2014, aquando Renato Pinto Ribeiro, vereador do CDS-PP na Câmara Municipal da Trofa, usufruiu de financiamento de obras para clube desportivo da Trofa.

Relacionados

Câmara Municipal de Paços e Ferreira obrigada à alteração de horários da Polícia Municipal por ordem do tribunal

Tendo em conta a situação pandémica nacional que Portugal está a atravessar, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira procurou estipular horários de trabalho...

Motociclistas agendam manifestação contra inspeções às motos

Depois de Jorge Delgado, Secretário de Estado das Infraestruturas, ter avançado, a 20 de setembro, que o Governo está a preparar um diploma para...

MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos em Portugal

A plataforma MEGA emitiu seis milhões de vouchers para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados e os livros na posse nos alunos. O...

Renato Pinto Ribeiro, vereador do CDS-PP na Câmara Municipal da Trofa, demarcou-se hoje em tribunal de “qualquer esquema para permitir que parte do dinheiro formalmente atribuído pela Câmara Municipal ao desporto de formação do Trofense acabasse a pagar dívidas do futebol profissional”, explica a Sapo Desporto.

O vereador afirmou que “os factos que me são imputados são falsos. Nunca agi com o intuito de prejudicar o município em favor do futebol profissional e da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Trofense”, afirmou.

No início do julgamento, o autarca referiu, perante o coletivo de juízes de Matosinhos, em instalações judiciais improvisadas no salão dos Bombeiros de Valadares, em Vila Nova de Gaia.

O caso, que remonta a julho de 2014, quando Renato Pinto Ribeiro assinou “um contrato-programa de desenvolvimento desportivo com o Clube Desportivo Trofense, no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do clube”, esclarece o Sapo Desporto.

A Câmara da Trofa pagou, a altura, a totalidade do subsídio previsto no contrato referido, dos quais 60 mil se destinavam a “obras de conservação e manutenção no complexo desportivo de Paradela” afeto à formação do clube.

De acordo com o Ministério Público, as obras em causa “não foram efetuadas”, sendo que o dinheiro foi desviado para o futebol profissional. O alegado esquema levou a tribunal mais seis arguidos, “incluindo técnicos autárquicos e o presidente do Trofense à data dos factos, Paulo Melro”.

O vereador do CDS-PP eximiu-se à obrigação de fiscalizar “se as verbas públicas atribuídas eram aplicadas em respeito pelo contrato-programa de desenvolvimento desportivo que fora assinado, mas o arguido deu outra visão dos factos, sublinhando a sua necessidade de, enquanto eleito e responsável por grande número de áreas e dossiês, confiar na estrutura”, acrescentou o Sapo Desporto.

Na qualidade de arguido, o chefe de divisão Artur Costa confirmou ter despachado favoravelmente a “validação do relatório de obras, e disse que era, na altura, um recém-chegado à função, pelo que pediu informação aos serviços e se limitou a seguir os procedimentos até então adotados”, acrescentando que “nunca iria pôr em causa o meu salário”, concluiu.

O julgamento já foi iniciado, no entanto, já tinha sido adiado várias vezes, a última das quais em outubro de 2020, uma vez que o arguido estava em confinamento devido à covid-19.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido