2 C
Munique
7.8 C
Porto
DesportoO vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

O vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

O caso remonta a 2014, aquando Renato Pinto Ribeiro, vereador do CDS-PP na Câmara Municipal da Trofa, usufruiu de financiamento de obras para clube desportivo da Trofa.

Relacionados

Acidente em Santo Tirso provoca um ferido

Esta manhã, na Rua de Fontiscos em Santo Tirso, ocorreu um acidente de viação, o qual provocou um ferido leve. O alerta foi dado pelas...

Entrega de Prémios de Eurohockey Indoor Championship em Paredes

Ontem, em Paredes, decorreu o último dia de competição do Campeonato Europeu de Hóquei Indoor de Seniores Masculinos. No local, marcou presença o vereador...

Penafiel: Despiste em Rio de Moinhos provoca três feridos

Ontem, na sequência de um despiste de carro, em Rio de Moinhos, no concelho de Penafiel, três pessoas ficaram feridas. Um dos feridos teve de...

Renato Pinto Ribeiro, vereador do CDS-PP na Câmara Municipal da Trofa, demarcou-se hoje em tribunal de “qualquer esquema para permitir que parte do dinheiro formalmente atribuído pela Câmara Municipal ao desporto de formação do Trofense acabasse a pagar dívidas do futebol profissional”, explica a Sapo Desporto.

O vereador afirmou que “os factos que me são imputados são falsos. Nunca agi com o intuito de prejudicar o município em favor do futebol profissional e da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Trofense”, afirmou.

No início do julgamento, o autarca referiu, perante o coletivo de juízes de Matosinhos, em instalações judiciais improvisadas no salão dos Bombeiros de Valadares, em Vila Nova de Gaia.

O caso, que remonta a julho de 2014, quando Renato Pinto Ribeiro assinou “um contrato-programa de desenvolvimento desportivo com o Clube Desportivo Trofense, no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do clube”, esclarece o Sapo Desporto.

A Câmara da Trofa pagou, a altura, a totalidade do subsídio previsto no contrato referido, dos quais 60 mil se destinavam a “obras de conservação e manutenção no complexo desportivo de Paradela” afeto à formação do clube.

De acordo com o Ministério Público, as obras em causa “não foram efetuadas”, sendo que o dinheiro foi desviado para o futebol profissional. O alegado esquema levou a tribunal mais seis arguidos, “incluindo técnicos autárquicos e o presidente do Trofense à data dos factos, Paulo Melro”.

O vereador do CDS-PP eximiu-se à obrigação de fiscalizar “se as verbas públicas atribuídas eram aplicadas em respeito pelo contrato-programa de desenvolvimento desportivo que fora assinado, mas o arguido deu outra visão dos factos, sublinhando a sua necessidade de, enquanto eleito e responsável por grande número de áreas e dossiês, confiar na estrutura”, acrescentou o Sapo Desporto.

Na qualidade de arguido, o chefe de divisão Artur Costa confirmou ter despachado favoravelmente a “validação do relatório de obras, e disse que era, na altura, um recém-chegado à função, pelo que pediu informação aos serviços e se limitou a seguir os procedimentos até então adotados”, acrescentando que “nunca iria pôr em causa o meu salário”, concluiu.

O julgamento já foi iniciado, no entanto, já tinha sido adiado várias vezes, a última das quais em outubro de 2020, uma vez que o arguido estava em confinamento devido à covid-19.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido