DesportoO vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

O vereador da Trofa nega esquema para financiar o futebol profissional trofense

Relacionados

Santo Tirso: Homem que escondia droga num cofre é detido

A PSP deteve, na passada sexta feira, dia 12 de abril, um homem de 25 anos de idade por suspeita de tráfico de droga...

Paços De Ferreira: Ciclovia que liga Paços de Ferreira a Freamunde é inaugurada

A Câmara Municipal de Paços de Ferreira inaugurou, no passado domingo, 14 de abril, a ciclovia que faz a ligação entre as cidades de...

Paços de Ferreira: Atletas Pacenses destacam-se no Campeonato Nacional

Nos passados dias 4 e 7 de abril, o Complexo Olímpico de Piscinas de Coimbra recebeu os Campeonatos Nacionais de Juvenis, Juniores e Absolutos...

Renato Pinto Ribeiro, vereador do CDS-PP na Câmara Municipal da Trofa, demarcou-se hoje em tribunal de “qualquer esquema para permitir que parte do dinheiro formalmente atribuído pela Câmara Municipal ao desporto de formação do Trofense acabasse a pagar dívidas do futebol profissional”, explica a Sapo Desporto.

O vereador afirmou que “os factos que me são imputados são falsos. Nunca agi com o intuito de prejudicar o município em favor do futebol profissional e da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Trofense”, afirmou.

No início do julgamento, o autarca referiu, perante o coletivo de juízes de Matosinhos, em instalações judiciais improvisadas no salão dos Bombeiros de Valadares, em Vila Nova de Gaia.

O caso, que remonta a julho de 2014, quando Renato Pinto Ribeiro assinou “um contrato-programa de desenvolvimento desportivo com o Clube Desportivo Trofense, no valor de 135 mil euros, para apoiar as camadas jovens do clube”, esclarece o Sapo Desporto.

A Câmara da Trofa pagou, a altura, a totalidade do subsídio previsto no contrato referido, dos quais 60 mil se destinavam a “obras de conservação e manutenção no complexo desportivo de Paradela” afeto à formação do clube.

De acordo com o Ministério Público, as obras em causa “não foram efetuadas”, sendo que o dinheiro foi desviado para o futebol profissional. O alegado esquema levou a tribunal mais seis arguidos, “incluindo técnicos autárquicos e o presidente do Trofense à data dos factos, Paulo Melro”.

O vereador do CDS-PP eximiu-se à obrigação de fiscalizar “se as verbas públicas atribuídas eram aplicadas em respeito pelo contrato-programa de desenvolvimento desportivo que fora assinado, mas o arguido deu outra visão dos factos, sublinhando a sua necessidade de, enquanto eleito e responsável por grande número de áreas e dossiês, confiar na estrutura”, acrescentou o Sapo Desporto.

Na qualidade de arguido, o chefe de divisão Artur Costa confirmou ter despachado favoravelmente a “validação do relatório de obras, e disse que era, na altura, um recém-chegado à função, pelo que pediu informação aos serviços e se limitou a seguir os procedimentos até então adotados”, acrescentando que “nunca iria pôr em causa o meu salário”, concluiu.

O julgamento já foi iniciado, no entanto, já tinha sido adiado várias vezes, a última das quais em outubro de 2020, uma vez que o arguido estava em confinamento devido à covid-19.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -