0.7 C
Munique
13.5 C
Porto
EconomiaSetor do Mobiliário sente ausência de 5 mil trabalhadores

Setor do Mobiliário sente ausência de 5 mil trabalhadores

O setor de indústria exporta 90%. Neste momento a Indústria do Mobiliário tem rejeitado encomendas por falta de mão de obra.

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

A indústria portuguesa tem vindo a rejeitar encomendas diariamente devido à ausência de trabalhadores, o que está a causar uma crise de mão-de-obra entre as empresas.

O Jornal de Negócios avança que, entre os fabricantes que assumem a necessidade de trabalhadores, encontra-se o grupo “Laskasas”, com três fábricas em Paredes, a qual emprega 435 pessoas e fechou o último exercício com vendas de 24 milhões de euros.

O dono do grupo refere ao jornal estar a precisar de mais “40 pessoas, entre marceneiros, estofadores, maquinistas e serralheiros, mas não encontro, o que faz com que esteja a rejeitar encomendas e a prolongar os prazos pra a entrega de outras”.

António Silva, administrador da empresa JMS, assegurou que a empresa tem vindo a colocar anúncios, mas não tem havido aderência, encontrando-se também a rejeitar encomendas. Neste momento, a empresa conta com a falta de oito trabalhadores.

O diretor executivo da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), Gualter Morgado, afirmou que o cenário de crise “está a ser dramático” e que a fileira concentra cerca de metade da sua produção em Paredes e Paços de Ferreira.

De acordo com estimativas avançadas ao Jornal de Negócios, o diretor da APIMA avança que o setor poderia “aumentar o seu efetivo em cerca de cinco mil trabalhadores”, adiantando ainda que esta indústria “exporta 90%, aproximando-se do nível de exportações pré-crise provocada pelas medidas de gestão da pandemia”.

Durante os primeiros oito meses do ano, o setor gerou quase 1,2 mil milhões de euros nos mercados externos, menos 3% do que no mesmo período em 2019. Morgado prevê que a indústria chegará ao fim de 2021 “mais ou menos em linha com o recorde de 1,9 mil milhões atingido em 2019”, conclui o Jornal de Negócios.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido