0.1 C
Munique
12.4 C
Porto
NacionalBragaTribunal de Braga “chumba” alunos por faltas à disciplina de cidadania

Tribunal de Braga “chumba” alunos por faltas à disciplina de cidadania

Os pais acreditam que a educação no sistema público não pode seguir nem impor diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas.

Relacionados

Sindicato dos Trabalhadores acusa GNR de Paredes de recusar levantar auto de ocorrência na “Varandas de Sousa”

Na passada sexta-feira, quatro trabalhadoras foram impedidas de cumprir o horário laboral nas instalações da empresa “Varandas de Sousa”, na freguesia de Madalena, no...

Detidos por tráfico de droga no concelho de Amarante ficaram em prisão preventiva

A GNR deteve, na passada quinta-feira, cinco homens e três mulheres no âmbito de tráfico de droga no concelho de Amarante. Após estes terem sido...

Iniciativa Liberal instala-se no concelho de Valongo

Decorreu, na passada quinta-feira, no auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde, o plenário fundador do Núcleo Territorial de Valongo pertencente à Iniciativa Liberal,...

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga indeferiu a providência cautelar que pretendia travar o chumbo de dois alunos de Vila Nova de Famalicão, os quais, por decisão dos pais, não frequentavam a disciplina de cidadania.

Artur Mesquita Guimarães, o pai dos alunos, referiu ontem à Lusa que a decisão, com data de 18 de outubro, obrigará os filhos a regressarem ao ano letivo anterior, no qual “ambos obtiveram média máxima”. O próprio referiu que resta “recorrer da sentença da providência cautelar, com pedido de suspensão da sua eficácia, esperando poder contar que, por agra, impere o bom senso por parte da meritíssima juíza que irá apreciar”.

A escola chumbou os alunos em questão por faltas à disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, tendo os pais interposto uma providência cautelar e, entretanto, os alunos prosseguiram o percurso escolar normal. Atualmente, o Tribunal Administrativo Fiscal de Braga considerou improcedente a providência cautelar, a qual significa que, quando a sentença transitar em julgado, os filhos terão de voltar para o ano anterior.

O trânsito em julgado irá ocorrer no dia 5 de novembro, no entanto, os pais esperam que, com recurso, os filhos possam manter-se na situação atual. O JN avança que Artur Magalhães acusa a escola e o Ministério da Educação de “obsessão na tentativa de impor, nem que seja à força” a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, que classifica como uma espécie de “religião do Estado”.

Os pais alegam que a educação para a cidadania é uma competência deles, sublinhando que lhes suscitam “especiais preocupação e repúdio” relativamente aos módulos de “educação para a saúde e sexualidade” e “educação para a igualdade de género” que fazem parte da disciplina em questão. Os pais acreditam que a educação no sistema público não pode seguir nem impor diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas.

Já o Ministério da Educação diz que o objetivo não é a retenção, mas a criação de planos de recuperação, excecionalmente neste caso, como previsto na lei, para que os alunos não sejam prejudicados por uma decisão imposta pelo encarregado de educação.

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido