13 C
Munique
19.4 C
Porto
OpiniãoA liberdade vem das bases, não do Pilar

A liberdade vem das bases, não do Pilar

Relacionados

PSD Paços de Ferreira apresenta pacote de medidas para resolver problema com a habitação no concelho

O PSD Paços de Ferreira realizou esta sexta-feira uma conferência de imprensa, na sede do partido, para divulgar um conjunto de propostas apresentadas ao...

Automóveis furtados no valor de 500 mil euros escondidos em Lousada

Automóveis avaliados em cerca de 500 mil euros foram furtados nos últimos meses em Matosinhos, Paços de Ferreira e Barcelos e tinham como destino...

A propaganda do regime em Penafiel

Não sendo nada de novo nos últimos 20 anos de governação em Penafiel, é importante que a cada regurgitar de propaganda municipal, a verdadeira...

Neste último dia 25 de Abril, celebrou-se o quadragésimo oitavo aniversário da libertação de um regime opressor das liberdades do povo português.

A obtenção da liberdade foi iniciada pelo movimento militar, é certo, mas a nenhum lado teria chegado sem a movimentação corajosa do povo como um todo contra o regime ditatorial salazarista.

No entanto, talvez pela distância temporal do momento e da ausência de um estado tirano, baixamos a guarda e deixamos de dar o devido significado a esta data.

Lutar pela liberdade é mais que um direito. É um dever para com todos os que começaram essa conquista. Por todos aqueles que sofreram nas mãos da opressão. Por todos aqueles que morreram vítimas de uma guerra colonial e de uma perseguição política desumana. Só com a valorização e preservação dessa luta é que damos sentido ao sofrimento que todos esses importantíssimos agentes de mudança passaram.

Devemos-lhes isso.

A habitual Assembleia Municipal cá do Burgo, a propósito da comemoração da Revolução de Abril foi o primado da hipocrisia.

A escolha da base militar do Pilar, apesar do simbolismo da celebração perto dos militares, deixou de parte o maior agente da revolução:  povo.

É de lamentar que uma sessão de comemoração do aniversário da conquista da liberdade fosse tão rica em simbolismos, mas tão pobre em liberdade. Quando para celebrar a liberdade, não damos liberdade de acesso à sua comemoração institucional que raio de liberdade é essa que celebramos? Quando exigimos inscrições prévias e entrega de dados pessoais, barrando pessoas à entrada, para celebrar a liberdade estaremos efetivamente a defender esse valor?

Decerto que esta não é a primeira vez que o município põe em causa a liberdade de participação política dos seus concidadãos. Da famosa Assembleia à porta fechada com lotação miraculosamente esgotada à ausência de transmissão online por motivos regimentares que rapidamente foram esquecidos em tempo eleitoral, muitos são os motivos que a governação local nos tem dado para de facto entendermos a intemporalidade do 25 de Abril e da luta incessante pela manutenção das suas conquistas fundamentais.

Não percamos a coragem e não arredemos pé daquilo que tanto nos custou enquanto nação conquistar.

A liberdade não tem inscrições prévias, lotações esgotadas e o dado pessoal necessário é só um: ser um verdadeiro democrata.

Ricardo Andrade,

Secretário – Coordenação da Juventude – Iniciativa Liberal de Paços de Ferreira

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome

- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -
error: Conteúdo protegido