OpiniãoAs dores da capela mortuária

As dores da capela mortuária

Relacionados

Secretário-Geral do PCP no Vale do Sousa e Baixo Tâmega

É com grande orgulho para os comunistas e para os apoiantes da CDU que, no próximo dia 30 de junho, a região do Vale...

As eleições mais importantes do país

Dia 9 de junho temos marcadas as eleições menos populares de Portugal: as eleições para o Parlamento Europeu. Com facilidade se ouvem comentários que...

Próxima paragem: Eleições para o Parlamento Europeu

No próximo dia 9 de junho teremos as eleições para o Parlamento Europeu. Irão ser eleitos 24 eurodeputados por Portugal e desde já temos...

Por isso, antes do jantar fui até à capela mortuária de Lordelo. E fiquei com a boca aberta, o olhar alargado, quando vi que, em volta do edifício, existia um concerto de guarda-chuvas, porque no interior não cabia nem mais um ovo. Por causa disso, não saí do carro. E aí deixei-me estar até a torre da igreja tocar uma hora tardia.

No interior da capela mortuária, o caixão estava encostado a um canto, a uma parede que, no topo, perto do tecto, estava verter lágrimas. E perto desta, no mesmo sítio, estava uma mancha enorme. Uma mancha tão grande que, ao longe, parecia um homem deitado.

As imagens deste texto, as cores destas palavras não são ficcionais. São verdadeiras, mas são só uma porção da verdade. Portanto, é essencial que, para breve, haja um debate franco e espesso. Um debate que visa a melhoria da existente ou a construção de uma nova capela mortuária, porque Lordelo merece, porque Lordelo precisa.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -